A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, decidiu dar o bolo no presidente Michel Temer, que a havia chamado uma reunião para as 11h desta quarta-feira, destinada a encerrar a crise institucional aberta desde que a Polícia Federal, com autorização do juiz Vallisney Oliveira, de Brasília, fez uma batida no Senado e prendeu quatro policiais legislativos; o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), criticou a decisão que disse ter sido tomada por um "juizeco" e recebeu apoio do Palácio do Planalto, mas Cármen Lúcia se recusou a participar da reunião em que o Poder Judiciário seria enquadrado





247 – A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, percebeu a natureza da reunião convocada nesta manhã por Michel Temer e decidiu dela não participar.

Temer havia chamado uma reunião para as 11h desta quarta-feira, destinada a encerrar a crise institucional aberta desde que a Polícia Federal, com autorização do juiz Vallisney Oliveira, de Brasília, fez uma batida no Senado e prendeu quatro policiais legislativos.

Além de Cármen Lúcia, ele pretendia se reunir com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que todos discutissem os limites institucionais dos seus respectivos poderes (leia mais aqui).

Renan criticou a decisão que disse ter sido tomada por um "juizeco" e recebeu apoio do Palácio do Planalto, assim como da Câmara, mas Cármen Lúcia recusou participar da reunião em que o Poder Judiciário seria enquadrado.

Ou seja: no que depender dela, não tem acordo. E, para os chefes do Executivo e do Legislativo, o Judiciário continuará hipertrofiado no País.

Brasil 247
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;