O que este blog fez, em parte, aqui – mostrar que a já baixíssima popularidade de Michel Temer estava declinando ainda mais – o jornalista José Roberto de Toledo (para mim, o melhor analista de pesquisas do país fez com todos os resultados das 15 capitais em que o Ibope incluiu esta medição nas pesquisas para a eleição municipal.
O resultado, indiscutível, você lê abaixo:

Tempo urge para Temer

Em lugares onde as opiniões de que Temer faz um governo ruim ou péssimo não aumentaram, suas taxas de ótimo e bom diminuíram, como em Sorocaba (SP), Porto Velho e Maceió. Nas exceções, onde o movimento foi inverso, como Porto Alegre, o resultado ainda está longe de ser favorável ao novo presidente: 13% de avaliações positivas e 36% de negativas (-23 pontos de saldo).
A tendência principal, porém, foi o crescimento significativo e quase universal dos eleitores que dizem não saber avaliar o governo. Na maioria dos casos, a migração foi da taxa de “regular” para o não sabe/não respondeu.
Não é possível afirmar com certeza que essa tendência seja ruim para Temer. Mas, combinada com o crescimento das avaliações negativas, é mais provável que o destino final dessa migração seja o ruim/péssimo do que o bom/ótimo. É como se esse eleitor que estava dando um voto de confiança ao governo dizendo que ele é “regular” não se sentisse mais confortável para opinar.
O aumento do ruim/péssimo combinado com a diminuição do bom/ótimo deixa ainda mais desfavorável um clima de opinião pública que já era ruim. Em todas as 41 grandes cidades cujas pesquisas do Ibope foram analisadas, Temer é impopular. Isto é: há mais opiniões negativas do que positivas sobre seu governo.
Nos melhores casos, o saldo é negativo em sete pontos, como em Joinville (SC) e Boa Vista. No pior, chega a 57 pontos negativos, como em Feira de Santana (BA). A impopularidade de Temer é pior – e crescente – principalmente no Nordeste. Seu saldo negativo supera os 30 pontos em todas as principais capitais nordestinas: -38 em João Pessoa; -44 em Fortaleza; -45 em São Luís; -46 no Recife; -47 em Teresina; e -48 em Salvador.
Como se ouviu nas vaias em cerimônias olímpicas no Maracanã, o sentimento contrário ao governo é grande também no Sudeste. No Rio, o saldo de Temer está negativo em 38 pontos (apenas 8% de ótimo/bom contra 46% de ruim/péssimo). Em São Paulo, faltam 33 pontos para zerar a conta (11% de avaliações positivas contra 44% de negativas). Eram -22 em agosto.
Embora a teoria das redes tenha tornado ultrapassada a teoria da pedra no lago – segundo a qual a propagação da opinião pública se daria em ondas homogêneas e concêntricas a partir dos grandes centros urbanos –, é sempre um mau sinal para o governo, qualquer que seja ele, quando sua imagem piora nas metrópoles.
Não é que o eleitor da cidade grande influencie o da cidade pequena. É que a crise econômica costuma ser sentida primeiro nas maiores cidades. Muitas vezes a agricultura e a pecuária conseguem minorar seus efeitos no interior. Se o humor do eleitor das metrópoles piora, é sinal de que a crise – ou ao menos a sua percepção – está piorando também. Uma hora ela acaba chegando nas menores cidades, e a rede negativa se completa.
O governo Temer acha que seu problema é de comunicação. Ministros palacianos disputam seu controle. Um possível novo porta-voz deve se encontrar com o presidente nesta semana.
Fosse só isso, Temer poderia mudar-se para o Palácio da Alvorada com a certeza de que iria dormir tranquilo em meio às emas. Infelizmente para ele e o PMDB, há humanos no processo. O tempo corre contra o novo presidente. Trocar de fuso viajando ao exterior não faz o relógio da impopularidade andar mais devagar.

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;