Da China, onde participa de reunião do G20, Michel Temer minimizou os protestos que ocorreram todos os dias em São Paulo e em várias capitais do País, desde que o Senado confirmou o afastamento da presidente Dilma Rousseff; "São pequenos grupos, parece que são grupos mínimos, né? (...) Não tenho numericamente, mas são 40, 50, cem pessoas, nada mais do que isso. Agora, no conjunto de 204 milhões de brasileiros, acho que isso é inexpressivo. O que preocupa, isto sim, é que confunde o direito à manifestação com o direito à depredação", disse ele, neste sábado 3; megamanifestação está prevista para ocorrer na tarde deste domingo; pesquisa Ipsos revelou que 68% dos brasileiros – 140 milhões de pessoas – o rejeitam



247 – Alvo de protestos diários, desde que o Senado confirmou o afastamento da presidente Dilma Rousseff, Michel Temer minimizou as manifestações, afirmando que são coisa de "40, 50 pessoas que quebram carro".

"São pequenos grupos, parece que são grupos mínimos, né? Não tenho numericamente, mas são 40, 50, cem pessoas, nada mais do que isso. Agora, no conjunto de 204 milhões de brasileiros, acho que isso é inexpressivo. O que preocupa, isto sim, é que confunde o direito à manifestação com o direito à depredação", disse ele, em Hangzhou, durante uma conversa com jornalistas.

"As 40 pessoas que quebram carro? Precisa perguntar para os 204 milhões de brasileiros e para os membros do Congresso Nacional que resolveram decretar o impeachment".

Uma pesquisa Ipsos divulgada nesta semana revelou que 68% dos brasileiros (leia aqui) – 140 milhões de pessoas, portanto – o rejeitam. Novas manifestações estão programadas e a maior deve ocorrer na tarde deste domingo, em São Paulo.

Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: