Em entrevista com a presidenta deposta, revista mexicana ressalta 'Fora Temer' em todas as capitais no último 7 de setembro
 
 
Lula Marques/AGPT
 
Dilma afirma que nunca reprimiu protestos contra ela porque 'são parte da política e da democracia'

São Paulo – Para a presidenta deposta Dilma Rousseff, a repressão violenta contra os manifestantes que pedem pela saída de Michel Temer e eleições Diretas Já tende a aumentar "porque os que tomaram o poder ilegalmente não suportam que sua verdadeira natureza golpista seja revelada aos olhos do Brasil e do mundo". A declaração foi dada à revista mexicana Proceso publicada neste mês. 

Na entrevista, Dilma volta a classificar o governo atual como "ilegítimo, golpista e usurpador", e diz que a repressão visa a sufocar "revolta popular" de parte da população que contesta a legalidade do processo de impeachment.
A publicação mexicana anota que tais advertências de Dilma surgem em contexto de crescentes manifestações contra o governo Michel Temer, e cita, em especial, os protestos que tomaram todas as capitais do país, no último feriado da Independência (7), em que milhares marcharam entoando o mesmo grito: "Fora, Temer". 

A reportagem também ressalta que as manifestações impõem desafio a Temer que, em sua primeira reunião ministerial, declarou: "Não vou permitir que me chamem de golpista". "Desde então, a polícia tem reprimido com violência os protestos, sobretudo os que estão sendo realizados na cidade de São Paulo", frisa a revista. 

"Quando eu era presidenta, houve centenas de manifestações contra mim, mas jamais reprimi essas marchas, porque não me incomodavam. São parte da política e da democracia", afirmou Dilma.

RBA
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;