Diz Sua Majestade Judicial, Sergio Moro, ao Estadão, que “a desproporção entre o valor da propina de R$ 3,7 milhões supostamente paga ao petista [o ex-presidente Luis Inacio Lula da Silva]pela empreiteira OAS e as cifras bilionárias do esquema de corrupção na Petrobras”, nas palavras dele, ‘não descaracteriza o ilícito’.

“Observa-­se que, embora aparentem ser, no presente caso, desproporcionais os valores das, segundo a denúncia, vantagens indevidas recebidas pelo ex-presidente com a magnitude do esquema criminoso que vitimou a Petrobrás, esse é um argumento que, por si só, não justificaria a rejeição da denúncia, já que isso não descaracterizaria o ilícito, não importando se a propina imputada alcance o montante de milhares, milhões ou de dezenas de milhões de reais”, ressalta o magistrado.

Está certa Sua Majestade: se alguém tivesse levado “dez reau” de suborno de Paulo Roberto Costa, Marcelo Odebrecht ou Léo Pinheiro para passar uma fatura na frente de outras nos pagamentos da empresa, por exemplo, o caso seria criminoso e o crime da alçada da lava Jato, que apura a corrupção na empresa.

O que Sua Majestade não diz, nem pode dizer, é que “a desproporção” que ele próprio reconhece joga por terra o nexo que se quer fazer entre a suposta propriedade do apartamento no Guarujá, sua reforma ou a guarda das caixas com o acervo presidencial – que são o objeto real da ação com todas as firulas que se fez ao chamar, por páginas a fio, Lula de “chefe”, “coordenador” e “comandante” do esquema de fraudes na companhia, sem disso apresentar nenhuma prova, mas apenas as “convicções” dos rapazes de Curitiba.

Afinal, não faz sentido dizer que Lula “é o principal beneficiário” de um esquema em que, mesmo que fosse verdade tudo o que a ele se imputa, reservasse ao “principal beneficiário” quantias ínfimas, considerando os bilhões e milhões que aos “comandados” renderam.

E porque, então, afirmar que veio das maracutaias da Petrobras o dinheiro que, por exemplo, reformou o apartamento?

Porque é isso o que estabelece a conexão, juridicamente falando; o que faz o caso ficar nas mãos de Sérgio Moro.

Segundo, porque isso é o que permite ao “crime” ser caracterizado como “corrupção”, está relacionado ao exercício de funções públicas. Mesmo que a OAS pretendesse dar o apartamento a Lula em 2014, época em que foi feita a reforma, e quando ele estava fora do cargo, não haveria o crime de corrupção, porque não poderia haver a contrapartida em ato de ofício da administração pública.

Portanto, é preciso dizer que o dinheiro que reformou o apartamento veio lá de trás, de uma caixinha que ficou pressurosamente guardada para Lula.

O resto é irrelevante.

Pouco importa, estando na mão de Moro, que não haja um mísero papel que denote ser de Lula o apartamento e haja um milhão de documentos a provar que pertence à OAS.

Não tem a menor relevância não haver testemunha de que Lula e Marisa não pediram, encomendaram, discutiram, solicitaram ou palpitaram na reforma do dito cujo triplex.

Nada tem de significativo que não se consiga imaginar qual é o benefício pessoal auferido por Lula por guardarem para ele uma dezena de caixotes.

O importante é que fique nas mãos de Moro, onde ele condena sem vacilação e tem no Judiciário que lhe deveria ser freio ou áulicos ou covardes.




TIJOLAÇO
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;