O procurador da lava jato, Deltan Dallagnol, blefou.
Blefou de maneira escandalosa, fazendo escarnio da justiça, do estado de direito e da boa fé dos cidadãos e cidadã brasileiras.
Sujeitou o país a um espetáculo deprimente de ilações, acusações sem provas, suposições, incompetência, desrespeito e de ódio ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
O procurador usou termos pesadíssimos contra Lula: chefe dos chefes, comandante máximo, criador de propinocracia, entre outros moralmente agressivos. Sem apresentar uma única prova. Nenhuma prova.
Buscando dar uma aparência técnica à sua sanha acusatória, Dallagnol projetou na parede um organograma patético, motivo de chacota nas redes sociais.
Mas não há nada de cômico neste trágico espetáculo.
O que o país assistiu hoje foi mais um capítulo da perseguição obsessiva e implacável ao presidente Lula. Ação que nada tem a ver com a busca da verdade. A Lava jato, até parece ter começado com uma sincera vontade de investigar crimes de corrupção, mas há muito tempo descambou para a disputa político-partidária. E, desde então, afunda cada vez mais neste desvio lastimável.
Impossível não relacionar tanta perseguição e tanto ódio ao fato de Lula ser o grande favorito às eleições presidenciais de 2018, mesmo tendo sua imagem atacada diuturnamente pela oposição, pela lava jato, pela elite econômica e pela mídia.
É triste e revoltante ver o Ministério Público Federal se entregar levianamente às paixões políticas e descer tão baixo. É preciso defender a República, sua lógica e suas instituições. O Ministério Público é uma dessas instituições.Porque não há saída para o Brasil fora da democracia.

Mídia Ninja
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;