GETTY IMAGESImage captionApoiadora do PT diante do Palácio do Alvorada antes de declaração de Dilma Rousseff sobre impeachment; imprensa internacional reconhece legalidade de processo, mas questiona aspectos da legitimidade de novo governo

Horas após ser consumado, o impeachment de Dilma Rousseff começa a ter sua história escrita também pela imprensa internacional.

Em editorial, artigo que apresenta a opinião do grupo responsável pela publicação, o jornal americano TheWashington Post classificou o desfecho do processo como "difícil, mas necessário".

A publicação de 140 anos, comprada em 2013 pelo CEO da Amazon, Jeff Bezos, considera que o impeachment foi "legal, politicamente legítimo e abre caminho para reformas que o Brasil precisa desesperadamente".

Outras publicações trouxeram opiniões que questionam a legitimidade do processo – ou seja, se foi justo, democrático.

"Todos os impeachments são politicos. Mas o do Brasil foi mais sinistro?", questiona Amanda Taub em artigo no The New York Times.

Image copyrightGETTY IMAGESImage captionManfestantes pró-impeachment festejam em São Paulo após votação no Senado; para britânico Guardian, pesquisas e protestos de rua mostram que 'eleitores estão cheios de quase todos os políticos'.

Para a colunista, a mudança no Brasil não é golpe no sentido estrito da palavra, ou seja: uma tomada ilegal de poder, mas seria uma "exploração da vontade popular e da letra da lei" para servir interesses políticos, e não democráticos.

A ex-advogada de direitos humanos, que escreve sobre ideias e contextos de grandes eventos mundiais, vê a crise política "enraizada em problemas que afetam todo o sistema político brasileiro, não apenas a esquerda ou a direita".

Taub lembra que o escândalo de corrupção investigado pela Operação Lava Jato envolve integrantes do novo governo e cita a frase do senador Romero Jucá (PMDB) – em diálogo gravado em março pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado – sobre "estancar a sangria" representada pela operação.

Por outro lado, ela critica como "caricatura" a visão de "devotos do PT" que concebem o impeachment em termos de luta de classes, de elite contra povo. Para sustentar a sua opinião, cita uma pesquisa do Datafolha de agosto de 2015 que indicou 66% de apoio à abertura do impeachment e apenas 11% de aprovação a Dilma.

Image copyrightREUTERSImage captionPanos de chão com críticas a Temer no Rio de Janeiro; colunista diz que discurso do PT sobre 'luta de classes' na crise é 'caricatura' da situação real

No editorial, em que defende a legalidade e a necessidade do impeachment, oWashington Post classificou como "falsas" e "irônicas" as alegações de Dilma sobre o impeachment supostamente ter sido um "golpe".

"Esses protestos tem uma ironia própria, à luz de sua defesa dura da destruição da democracia venezuelana por Hugo Chávez e de seus negócios de pai para filho com o regime dos Castro em Cuba", diz o jornal.
Votação esmagadora

"Brasil derruba Rousseff depois de votação esmagadora no Senado", titulou o jornal britânico The Guardian.

Em texto assinado do Rio de Janeiro e de Brasília, a publicação analisa a queda de popularidade de Dilma como a soma de "declínio econômico agudo, governo paralisado e um escândalo de corrupção que envolveu quase todos os grandes partidos".

A publicação diz ainda que o processo pode reforçar para alguns a "impressão de que a classe política do país ainda se sente desconfortável com a democracia".

Em uma escala de gravidade de 1 a 10, o jornal afirma que a crise do Brasil bate hoje em 11. Também lembra a gravação em que Romero Jucá aparece, segundo o diário, em uma "trama para remover a presidente e suspender a investigação da Lava Jato" – algo que o senador nega – e a intervenção do senador e ex-jogador Romário na maratona de discursos que precedeu a votação.

Image copyrightREPRODUÇÃOImage captionWashington Post: jornal do CEO da Amazon foi um dos primeiros a defender o resultado do processo de impeachment como bom para o Brasil

O diário econômico Financial Times menciona o papel de "políticas intervencionistas" de Dilma na crise econômica e o "desafio" de Temer nessa área, reforçado pela divulgação da contração de 0,6% do PIB no segundo trimestre de 2016.

"Embora não haja um problema de legalidade (no impeachment), há claramente uma questão de legitimidade", afirmou ao diário o analista Paulo Sotero, do Wilson Center (EUA). "Ele (Temer) tem apenas um tiro para resolver isso, que é reverter a recessão e começar a mostrar que pode tirar o Brasil desse buraco para crescer de novo."

O britânico The Daily Telegraph destaca a decisão da defesa de Dilma de questionar a votação no Supremo Tribunal Federal e a promessa da ex-presidente de fazer uma oposição "firme, incansável e energética".
Impacto regional

Colunista do jornal argentino La Nación, Carlos Pagni lembrou as consequências econômicas e políticas do impeachment para o país vizinho.

Para ele, o rumo do PIB brasileiro será uma variável importante para o governo de Maurício Macri, que tenta reerguer a própria economia, e ainda haverá repercussões políticas, já que a ex-presidente Cristina Kirchner também abraçou o discurso do "golpe" para rebater suspeitas de enriquecimento ilícito.

O colunista lembra como Macri apoiou Temer "desde a primeira hora", sobretudo pela vinculação do novo presidente brasileiro aos tucanos Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso.

O artigo no La Nación considera que Dilma foi retirada do poder mediante um "procedimento legal inquestionável", mas também diz que Temer precisa "fortalecer a legitimidade" de sua gestão, e que buscará isso de forma "hiperativa" no campo diplomático, citando a presença do peemedebista na cúpula do G20 na China já nesta semana.

Image copyrightGETTY IMAGESImage captionDilma em discurso de despedida: jornais destacaram o tom duro de oposição e a tentativa de reverter decisão na Justiça

O jornal chileno La Tercera, em texto do repórter Alejandro Tapia, narrou a queda de Dilma como a de uma tecnocrata "desconfiada", "soberba" e "fria".

"Segundo analistas políticos, brasileiros, Rousseff cavou sua própria cova em dois sentidos: a sua aposta econômica também se revelou um fracasso", escreveu.
PT 'no inferno'

Para o jornal francês Le Monde, o afastamento permanente da petista representa "a descida ao inferno do Partido dos Trabalhadores".

"O impeachment decidido por mais de dois terços dos senadores marca o fim de um ciclo, aberto em 2003 com a chegada ao poder de Luiz Inácio Lula da Silva, o outrora menino pobre do Nordeste transformado em porta-voz dos esquecidos, dos pobres e dos sem-voz", diz o diário, em texto assinado pela correspondente.

O Le Monde também assinala que o processo que culminou na saída definitiva da petista foi uma "tragédia sem suspense".

Image copyrightREUTERSImage captionMichel Temer durante posse, ao lado do presidente do STF, Ricardo Lewandowski (à dir.), e do presidente do Senado, Renan Calheiros

"A dramatização de sua queda, a denúncia de um 'golpe de Estado' ameaçando a jovem democracia brasileira, o seu passado de guerrilheira, o seu sofrimento e a sua resistência à tortura sob a ditadura militar (1964-1985) não garantiram a leniência de seus juízes (senadores)."

Em outro artigo, assinado pela mesma correspondente, o jornal ainda pergunta se Michel Temer, que substitui Dilma na Presidência, será "o Maquiavel ou o salvador" do Brasil.

"Tão impopular quanto a sua antecessora, este habitué dos bastidores da política se vê à frente de um país endividado, mergulhado em recessão, desemprego e inflação. Se ele é estimado nos círculos financeiros, não lhe será concedido nenhum estado de graça", diz o diário.


BBC Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;