Eu vi, ninguém me contou. Da janela do apartamento de um amigo, no 11º andar de um prédio na esquina da avenida Rebouças com a rua Oscar Freire, vi um mar de gente descendo da avenida Paulista para a Largo da Batata, em Pinheiros, na maior manifestação de protesto contra o presidente Michel Temer após a aprovação do impeachment na semana passada.

Por mais de 50 minutos, vi aquela multidão caminhando em blocos compactos, cantando e gritando palavras de ordem contra o governo e a favor de eleições diretas já. Ainda tinha muita gente vindo da avenida Paulista quando a comissão de frente já tinha cruzado a avenida Brasil, umas dez quadras abaixo. Havia muitas faixas, cartazes e bandeiras, mas não não vi passar nenhum mascarado.

Quantos eram? Se depender da imprensa, nunca vamos saber, porque o Datafolha não faz mais seus cálculos de manifestantes, como acontecia nas manifestações anteriores ao impeachment, e a Polícia Militar agora não divulga nem estimativas. Em todo o noticiário que vi e li, repórteres só falam em "milhares". Como sabemos, milhares podem ser 2 mil ou 200 mil pessoas.

Para efeito de comparação, eu estava a trabalho, como repórter da Folha, no primeiro comício das Diretas Já, em frente ao Estádio do Pacaembu, no longínquo mês de novembro de 1983. Os repórteres presentes, quando ainda não existiam cálculos científicos para medir multidões, registraram um público em torno de 15 mil pessoas (em janeiro de 1984, já eram 300 mil na praça da Sé, quando a campanha ganhou as ruas de todo o país). Desta vez, havia muito mais gente, posso assegurar, umas dez vezes mais do que no Pacaembu.

"Aqui estão as 40 pessoas. Já somos quase 100 mil na avenida Paulista", anunciou Guilherme Boulos, do MTST, um dos organizadores do protesto, quando a passeata começou a caminhar em direção ao Largo da Batata, referindo-se a um comentário sobre os atos de protesto feito na véspera pelo presidente Temer na China, onde se encontra em viagem oficial.

"As 40 pessoas que quebram carro? São pequenos grupos, parece que são grupos mínimos, né? Não tenho numericamente, mas são 40, 50, 100 pessoas, nada mais que isso. Agora, no conjunto de 204 milhões de brasileiros, acho que isso é inexpressivo", havia dito o presidente. No mesmo dia, o ministro de Relações Exteriores, classificou os atos de "mini, mini, mini, mini, mini, mini".

Não foi isso que se viu no domingo em São Paulo. Nem os organizadores do protesto, que esperavam 30 mil manifestantes na Paulista, podiam imaginar que o ato ganhasse esta dimensão. À medida em que a passeata prosseguia, mais gente que vinha das ruas vizinhas e descia dos prédios ia engrossando esse mar de gente que passava pela janela.

Só no final do protesto, quando os manifestantes já se dispersavam, estourou uma confusão na entrada da Estação Faria Lima do metrô, que havia fechado suas portas por receio da superlotação. Durante o ato, um esquema de segurança formado pelos próprios organizadores impediu a ação de black blocs, os vândalos que depredaram imóveis públicos e privados e entraram em confronto com a polícia na semana passada.

"A tropa de choque entrou no meio da manifestação para provocar, depois começaram a jogar bombas e jatos de água. Foi premeditado", denunciou Boulos, do MTST.

O tenente coronel Henrique Mota, que comandou a operação, reagiu ao ser indagado pelos repórteres sobre a acusação dos manifestantes. "A sua pergunta é cretina. Aqui é para preservar as pessoas que vieram se manifestar. A manifestação foi linda, bonita, maravilhosa, da Paulista até aqui. Depois, elementos que estavam lá começaram a jogar garrafa. Tinha mascarado no meio e você viu", disse ele à Folha.

Segundo a BBC Brasil, um dos seus repórteres foi agredido com golpes de cassetete por policias, mesmo após ter se identificado como jornalista, relata o noticiário do jornal, na matéria "Milhares protestam contra Temer em SP" (página A6). Novo protesto contra o governo e pelas eleições diretas já foi marcado para os dias 7 e 8, quarta e quinta-feira, no mesmo Largo da Batata, com início previsto para as 17 horas.

E vamos que vamos.






Vida que segue.

R7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;