Corrupção, sendo uma condenação moral, não se mede pelo valor de suposta vantagem indevida. Isso posto, na denúncia dos procuradores contra Lula - nauseante pela abundância e repetição das “convicções” preconcebidas que precedem a acusação propriamente dita – salta à vista a desproporção entre os ganhos que a construtora OAS teria conseguido na Petrobrás e em outros órgãos federais, em contratos que somam mais de R$ 6 bilhões, e a suposta “contraprestação” a Lula, que somaria R$ 3,7 milhões: R$ 1,2 milhão foi o valor que a OAS pagou pela armazenagem do acervo de Lula, com nota em seu próprio nome. R$ 2,4 milhões é valor das obras realizadas no triplex que está em nome da construtora mas dizem pertencer a Lula. Estas “propinas” correspondem a 0,05% do valor dos contratos da OAS, o que faria de Lula o corrupto mais barato do mundo! Uma desmoralização para os profissionais do ramo.

Para atenuar esta gritante desproporcionalidade, na denúncia os procuradores invocam uma declaração do ex-senador Delcídio do Amaral, em sua delação premiada, na qual diz supor que a OAS não destinou tais recursos a Lula por algum contrato específico mas, pelo “conjunto da obra”. Esta expressão também invocada pelos que condenaram a ex-presidente Dilma a perder o cargo na ausência de crime de responsabilidade claramente demonstrado, vai se tornando o mantra de todos os golpes e do estado policial nascente no Brasil. Se a moda se alastra, daqui a pouco alguém pode ser condenado pelo conjunto da vida.

O próprio juiz Sergio Moro, reconhecendo esta fragilidade da acusação afirmou: "Observa-se que, embora aparentem ser, no presente caso, desproporcionais os valores das, segundo a denúncia, vantagens indevidas recebidas pelo ex-presidente com a magnitude do esquema criminoso que vitimou a Petrobrás, esse é um argumento que, por si só, não justificaria a rejeição da denúncia, já que isso não descaracterizaria o ilícito, não importando se a propina imputada alcance o montante de milhares, milhões ou de dezenas de milhões de reais". De fato o valor não importa quando a corrupção é provada e indiscutível. Mas como a denúncia contra Lula baseia-se principalmente em convicções, incluída a convicção de que ele é dono do apartamento, a desproporção a fragiliza, denunciando a perseguição política como seu elemento intrínseco.

Vale transcrever aqui, como fonte para a conclusão de que Lula teria praticado a “modicidade tarifária” em sua corrupção, o que diz a denúncia sobre os contratos firmados pela OAS com a Petrobras. Só esta empreiteira é acusada de ter proporcionado “vantagens indevidas” ao ex-presidente para obter contratos na estatal. “ Registre-se que o Grupo OAS, no período entre 2003 e 2015, por meio de suas diferentes empresas e consórcios, firmou contratos, somando mais de R$ 6.786.672.444,5581, com a Administração Pública Federal. Aproximadamente 76% destas contratações correspondem a avenças firmadas com a PETROBRAS82, o que significa que grande parte do faturamento do grupo empresarial advinha de valores pagos pela estatal. No arranjo criminoso ora descrito, LULA era o elemento comum, comandante e principal beneficiário do esquema de corrupção que também favorecia as empreiteiras cartelizadas, incluindo a CONSTRUTORA OAS. Dessa forma, as vantagens recebidas pelo Grupo OAS, sob a influência e o comando de LULA, criaram em favor de LULA uma espécie de subconta do Partido dos Trabalhadores, a qual continuou a ser abastecida, inclusive, após o término de seu mandato presidencial ...“.

Segue-se, na denúncia, a demonstração do valor dos contratos e aditivos firmados pela OAS com a Petrobras. Resumindo, R$ 3,2 bilhões do contrato Rnest-Conest e R$ 2,3 bilhões do contrato do Consórcio CONPAR (obras na refinaria Presidente Vargas). Só aí, 5,7 bilhões, do “conjunto da obra” de favorecimento à OAS, que teria rendido a Lula a corrupção-bagatela de R$ 3,8 milhões. Os procuradores então registraram outra “convicção” que explicaria este Lula “baratinho”: suas vantagens indevidas constituiriam uma “subconta” do “caixa de propinas” do PT.

No mais, a denúncia é um aprimoramento da que foi feita pelo procurador Antonio Fernando sobre o mensalão: Conta uma história “redonda”, com núcleos e atores identificados, tendo Lula como “comandante máximo”. Não devia fazer mais nada, o presidente mais popular da História, a não ser acompanhar as operações de Barusco, Paulo Roberto Costa, Cerveró e outros corruptos da estatal.

Lula não chegou ao governo para nada, a não ser para montar um esquema de corrupção. Seu governo e sua atuação são reduzidos unicamente à criação e gerenciamento do petrolão, para garantir a governabilidade corrompida e o próprio enriquecimento. Política econômica, política externa, políticas sociais, distribuição de renda, redução da pobreza, fortalecimento das empresas nacionais, tudo isso foi miragem. Só existiu o petrolão.

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;