As demandas do povo brasileiro estão nas ruas e o governo ilegítimo e a mídia tentam minimizar os fatos. Em vão

por Mino Carta


A insatisfação popular fermenta e transforma o "Fora Temer" em "Diretas Já"


Um especialista em humores da casa-grande expõe a tese, mas pode ser resultado de conversas a portas fechadas, de que o golpe foi desfechado na previsão de uma reação internacional adversa, e nem por isso capaz de alterar a rota. Todos os riscos haveriam de ser corridos para atingir o objetivo, destruir o Partido dos Trabalhadores. Bastava, e basta, a pronta anuência de Tio Sam. O Brasil da casa-grande acomoda-se prazerosamente à condição de satélite dos Estados Unidos.

Se for assim, Michel Temer não se incomodou ao ser escanteado na reunião do G-20. A capitis diminutio sofrida pelo presidente do Brasil atinge e humilha o País, mas nada disso importa diante das consequências imediatas do golpe praticado contra a nossa frágil democracia. Em pleno andamento em relação ao PT, pois a tarefa será cumprida somente se Lula for definitivamente afastado da corrida presidencial marcada para daqui a dois anos.

A serem estes os propósitos dos golpistas, e sempre que haja perfeita afinação entre eles, e disso cabe duvidar, resta perguntar aos botões quanto diria a respeito o espírito de Garrincha. É suficiente hoje em dia ser súdito ao império do Grande Irmão do Norte, como se lia nos vetustos editoriais do Estadão, para gozar de sono tranquilo?

O mundo mudou bastante, mudou demais, gastar palavras sobre o tema é desperdício. Tio Sam é ainda poderoso, contudo não é mais aquele. Por exemplo, está largamente endividado e a China é seu imponente credor. A política exterior do governo Lula desvencilhou o Brasil da tradicional sujeição às vontades de Washington, com evidentes vantagens para o País. Recordo um lance importante do período: se os EUA tivessem aceito a exitosa mediação de Lula junto aos aiatolás, sete anos atrás, a questão do Irã teria sido encaminhada para a solução bem antes do que, de fato, se deu. Na ocasião, o Brasil desempenhou papel de potência, bem diverso daquele de Temer na reunião do G-20.

No mundo atual, a repercussão negativa do golpe brasileiro não parece conveniente para um país necessitado de investimento estrangeiro, a contar exclusivamente com capitais que aqui chegam apenas para engordar. Na moldura cabe até a recomendação do papa Francisco de orar pelo Brasil e a dúvida que o toma em relação à possibilidade de uma visita até ontem programada para o ano próximo. A registrar o patético esforço do presidente Temer ao pretender que o pontífice, de certa forma, reze pela aceitação do golpe, ou, se quiserem, pela paz dos cemitérios, sempre a mais conveniente para a casa-grande.

E lá vem outra pergunta do espírito do nosso inesquecível Mané: era o golpe o que o povo brasileiro queria? Talvez não seja o caso de imaginar um país rachado por uma polarização exacerbada. A insatisfação popular fermenta, porém, tanto mais porque manifestada sem meios-termos, com vigorosa clareza, por milhões de cidadãos outrora tidos como “cordiais”, no sentido de resignados, para não dizer covardes. A violência de um aparato policial digno de uma ditadura, pronto a intervir ao mínimo aceno de rebeldia, prova a semelhança com situações já vividas por outros países, em outros continentes, oprimidos por regimes antidemocráticos.

A demanda de quem protesta é inquestionável: Fora Temer e Diretas Já. Ou, pelo menos, tão logo possível. A máquina da propaganda midiática empenha-se para minimizar os fatos e maquiar as situações, e é cada vez mais ineficaz no seu intento. As Diretas Já de 1984 foram um extraordinário, inédito movimento popular nos estertores da ditadura. Agora, 32 anos após, começa a ser escrito o segundo capítulo do mesmo enredo. Há tempo, desde a primeira metade de 2015, CartaCapital adere à proposta de eleições antecipadas, solução inteligente para uma crise de outra forma insolúvel.

A ilegitimidade do governo Temer é nítida não somente a olhos estrangeiros, e o “Fora Temer” já sobrepuja o tom e o efeito do “Fora Dilma”. Bons sinais em meio ao caos. Apreciaria evitar ilusões pela enésima vez, mas lá vou eu, de novo. E me arrisco: quem sabe algum dia o brasileiro do futuro, próximo, espero, possa dizer que o golpe de uma quadrilha a serviço da casa-grande teve o condão de despertar a consciência nacional.
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;