"A força-tarefa da Lava Jato se embrenhou numa armadilha. Dependendo da opção dos seus agentes, poderá abrir um capítulo de grave conflitividade social no país, e não conseguirá ficar livre da responsabilidade pela espiral de conflito e violência", avalia o colunista Jeferson Miola; "A violência fascista contra o Lula, se concretizada pela força-tarefa da Lava Jato com a cumplicidade das instâncias do Judiciário e o acobertamento da mídia dominante, mudará o padrão da luta política e do conflito social", prevê




A força-tarefa da Lava Jato se embrenhou numa armadilha. Dependendo da opção dos seus agentes, poderá abrir um capítulo de grave conflitividade social no país, e não conseguirá ficar livre da responsabilidade pela espiral de conflito e violência.

Pela primeira vez desde que iniciou, a Operação é contestada pela quase unanimidade jurídica e política. É o saldo da tresloucada acusação dos procuradores ao ex-presidente Lula.

Para acusar e incriminar Lula, os inquisidores do Ministério Público usaram o rascunho do acordo anulado de delação do empreiteiro Leo Pinheiro. Atribuíram ao ex-presidente, com zero de prova, mas muita convicção, o papel de “comandante máximo”, “grande general” e “maestro” do esquema de corrupção na Petrobrás.

A denúncia dos procuradores agora está com o justiceiro Sérgio Moro, que terá de decidir entre duas alternativas: ou [1] aceita a denúncia e instala o processo através do qual, se sabe de antemão, ele condenará Lula sem causa; ou [2] arquiva a denúncia por falta absoluta de provas e “excesso de convicções”.

A segunda hipótese é praticamente improvável, porque Moro estaria contrariando o epílogo épico planejado para a Lava Jato há dois anos e meio, que é a condenação e prisão do Lula como o “comandante máximo” da corrupção no Brasil. O justiceiro dificilmente arquivaria esta denúncia, mesmo que delirante, porque passaria recibo do padrão de funcionamento da Lava Jato, baseado em arbitrariedades e atropelos. Significaria uma derrota estratégica e desmoralizante da Operação.

A hipótese de Moro aceitar a denúncia para condenar Lula é a mais provável, coerente inclusive com práticas criminosas antecedentes. Em outros momentos cruciais para a Lava Jato, Moro não hesitou em agir ao arrepio da Lei e do Estado de Direito. Assim procedeu na condução coercitiva do Lula com o objetivo fracassado de prendê-lo, em 4 de março; e assim atuou na interceptação e divulgação ilegal de conversas telefônicas da Presidente Dilma, em 16 de março.

Para a perpetração dos abusos e violências, Moro conta com o respaldo do STF, que tem sido conivente com a regressão jurídica e com os retrocessos no campo do direito, como ficou patente por ocasião dos episódios de 4 e 16 de março e outros. Com isso, a Suprema Corte legitima o Estado de exceção que se vive no país com o golpe.

É cada vez mais cristalino que a Lava Jato foi montada para atingir de morte Dilma, Lula e o PT. Na verdade, a oligarquia golpista usou o combate à corrupção apenas para tomar de assalto o poder com o golpe jurídico-parlamentar. Como derrubaram Dilma, agora precisam aniquilar Lula, inviabilizando por todos os meios seu retorno à Presidência do país na próxima eleição.

A paz social no Brasil está ameaçada pelo ataque que setores das instituições jurídicas e policiais do Estado, capturadas por militantes partidários golpistas e antipetistas, desferem contra a democracia, a Constituição e o Estado de Direito.

A violência fascista contra o Lula, se concretizada pela força-tarefa da Lava Jato com a cumplicidade das instâncias do Judiciário e o acobertamento da mídia dominante, mudará o padrão da luta política e do conflito social.

O povo trabalhador certamente não ficará passivo diante da injustiça contra Lula e da tentativa de assassinato do maior líder popular de todos os tempos.

Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;