O ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão tem sido uma das vozes mais ativas do Brasil contra os abusos e a seletividade da Lava Jato. Faz um paralelo com o Tribunal Popular do Nazismo.

Aragão ficou meses no cargo. Sua coragem e a contundência contrastaram com o “republicanismo” do antecessor, José Eduardo Martins Cardozo — conceito precioso transformado em sinônimo de ser subjugado calado. “Não é justo com ele… Eu já peguei o barco adernando”, afirma.

Ele foi o entrevistado da semana no programa do DCM na TVT. Aragão se preparava para dar uma palestra na Casa do Saber, em São Paulo, num ciclo que tinha também como convidado o ministro Gilmar Mendes.

Destaco alguns trechos da entrevista.

Sobre Moro: “No momento que o Tribunal Regional Federal da 4ª região afirma que em tempos excepcionais as leis são excepcionais e não precisam ser observadas as leis, tudo é possível. Parece que que todo o direito brasileiro foi revogado pelo TRF, que é quem supervisiona a área de Curitiba, para dizer que Moro pode tudo. Então, se Moro pode tudo, seus amigos e o grupo em volta dele também podem. Nós estamos num momento em que parecemos jogados nos escombros daquilo que um dia a gente pensava que era a democracia e a segurança jurídica.

Sobre Deltan Dallagnol: “Quando um procurador vai a uma igreja fazer populismo penal, está alimentando uma cadeia de ódio, por mais que ache que estar dentro de uma igreja significa fazer um papel de purificação. O direito penal é um instrumento de violência do estado. Entanto você fazer, dentro de uma igreja, propaganda do direito penal, para mim parece uma contradição, tanto para a religiosidade quanto para o direito penal. Chega a ser obsceno”.

Sobre uma liberdade total de ação: “Na verdade, tanto o juiz Sérgio Moro quando os procuradores e os delegados estão todos correndo soltos. Parecem bola de gude em boca de banguela.”

Sobre o papel do STF: “Não tem balizamento. Ninguém diz ‘aqui você não pode chegar’. O Supremo declarou ilegais as gravações que Moro publicou a respeito da conversa da presidenta com o Lula. Nesse momento, o que deveria ter sido feito? Mandar imediatamente para a Procuradoria Geral da República para fazer promover um inquérito policial contra o juiz no TRF da 4ª região por conta do crime de quebra de sigilo. Aquilo é um crime. Mas não. Ficou por isso mesmo.”

Sobre a nossa justiça e a da Alemanha de Hitler: “O atual momento me lembra muito a visão de justiça nazista. O Roland Freisler, que era o presidente do Volksgerichtshof, o Tribunal Popular da Alemanha fazia exatamente isso — ‘tempos excepcionais exigem leis excepcionais’. Tudo era para garantir o que se chamavaGesundes Volksempfinden, a pureza, a limpeza do sentimento popular. É o que nós estamos vivendo hoje quando um juiz diz que tinha que publicar grampos porque o povo tem que saber dessas coisas. Ele se comportou como Roland Freisler, ele está protegendo a Gesundes Volksempfinden. Nós vimos cenas de pugilato com o senador Lindbergh nas ruas e as pessoas acham normal. É assustador”.

Roland Freisler desempenhou um papel crucial na deturpação do judiciário alemão durante a era Hitler.

Tinha um forte traço patriótico desde a juventude. Foi condecorado com a Cruz de Ferro por suas ações na Primeira Guerra Mundial.

Dono de um vasto conhecimento legal, histriônico, entrou no Partido Nazista em 1925. Teve uma carreira ascendente a partir do triunfo de Hitler em 1933.

Tornou-se rapidamente um dos juízes mais temidos da Europa, graças a uma combinação de excelente conhecimento jurídico com táticas agressivas na corte.

Freisler era capaz de negar um cinto a um réu para, em seguida, condena-lo por suas calças arriarem. Ajudou a dar suporte legal para o Holocausto judeu.

Em 1942, virou presidente do Tribunal Popular, um sistema administrativo separado do sistema judicial regular. 90% dos casos levados a ele resultaram em pena de morte ou prisão perpétua.

Freisler conseguiu fazer de seu tribunal uma arma psicológica e uma forma de controlar os cidadãos sob o nacional socialismo, conferindo aos veredictos algum tipo de legitimidade retorcida.

Entre 1942 e 1945, calcula-se que tenha mandado 5 mil pessoas para a morte, mais do que o Tribunal Popular conseguiu de 1934 a 1942. Arruinou homens por causa do que chamava de “derrotismo”, por venderem bugigangas no mercado negro ou por ser lentos no trabalho.

Tudo cabia sob o guarda chuva de “crimes políticos”. Freisler supervisionou o caso dos integrantes do grupo Rosa Branca, capturado pela Gestapo. A organização não-violenta foi destruída e seus líderes foram para a guilhotina em 1943.

O julgamento foi filmado e usado como propaganda.


Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;