É quase impossível falar sobre o golpe parlamentar em curso no Brasil sem rememorar acontecimentos sobrevindos após 1º de abril de 1964. As duas conspirações tiveram apoio maciço dos industriais paulistas, FIESP à frente.

Essa promíscua ingerência, hoje “totenizada” no pato do Skaf e, ontem, no financiamento à Operação Bandeirante (Oban) expõe o que há de mais rasteiro nessa relação de parasitismo, nesse “meia nove” abjeto entre o poder econômico e a política.

A participação de empresários nos dois golpes não é novidade, mas é um filão que ainda tem muito a render aos jornalistas investigativos. Basta cavoucar aqui, vasculhar acolá para brotar chorume por todos os cantos.

Em se tratando do período ditatorial militar, até mesmo a negação sistemática em trazer a público documentos oficiais, por exemplo, já serviria como pauta. As Comissões da Verdade conseguiram exumar várias histórias, mas ainda há muito a ser descortinado.

O romance “Depois da Rua Tutoia” (11 Editora), do jornalista Eduardo Reina, trata de um tema pra lá de polêmico sobre essa época: o sequestro de bebês por agentes da repressão da ditadura brasileira, para serem entregues a apoiadores do governo.

Reina defende que essa prática hedionda, muito usual nos países do Cone Sul, principalmente na Argentina, também aconteceu no Brasil. Pretendia escrever um livro-reportagem, mas optou pelo gênero romance em razão das lacunas entre as histórias verdadeiras que precisam de documentos e declarações.

A obra traz personagens baseados em histórias reais de pessoas que lutaram contra, sofreram ou apoiaram a repressão nas décadas de 1960/70. A protagonista é Verônica – separada de sua mãe, militante de esquerda, logo após o parto em uma maternidade clandestina. Acaba sendo “adotada” por um influente empresário paulista, que comandava um grupo financiador do aparelho repressor.

A história criada por Eduardo Reina mostra o que aconteceu com a militante presa e com a filha, Verônica, que teve no cárcere. São as vidas que se seguiram depois da prisão no DOI-Codi da Rua Tutoia.

Com 240 páginas, Depois da Rua Tutoia é o primeiro romance do catálogo da 11 Editora – editora independente sediada em Jaú, interior paulista, que iniciou suas atividades em 2015 publicando livros de contos.

O livro apresenta um projeto gráfico interativo: os primeiros capítulos simulam documentos oficiais do Centro de Informações da Marinha (Cenimar) e estão contidos em um “envelope” com o timbre de confidencial, que precisa ser aberto. Sem isso, a narrativa não pode ser compreendida.

Ao estimular o leitor a acessar o que está oculto, a ideia é provocar uma reflexão: a de que todos os arquivos sobre a ditadura militar venham a público, para que a história recente do País possa ser reescrita e entendida.

Depois da Rua Tutoia pode ser adquirido no site da 11 Editora (www.11editora.com.br).

Diário do Centro do Mundo
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;