Por Tadeu Porto*(@tadeuporto), colunista do Blog O Cafezinho

Gosto muito do Jeferson Monteiro e reconheço a maneira com que ele revolucionou a comunicação na política com sua personagem Dilma Bolada. Entretanto, dentre milhares de acertos, Jeferson pecou numa analogia, coisa rara se tratando do publicitário, ao comparar o golpista Michel Temer ao vilão da série Harry Potter, o Lord Voldemort.

Bom, essa comparação rendeu ótimos memes como “fora você-sabe-quem”, todavia, como sou fã do bruxinho mais querido do mundo, acabei sentindo certo incomodo ao ver o usurpador comparado com o Lorde das Trevas, afinal, Temer é covarde demais para ser comparado à um vilão tão soberano.

Dentro as personagens imaginadas por J.K. Rowling acredito que somente uma se enquadra no perfil do vice decorativo: o animago Pedro Pettigrew, que vive anos na forma de um roedor na família dos Wealsey, um rato traidor tão medíocre que não consegue adquirir simpatia nem de um psicopata, pois é sujo e baixo demais para tal.

Um vilão, muitas vezes, desperta o interesse e até respeito de seus espectadores. De certa forma, é até comum admirar características muitas vezes associadas à antagonistas (por favor, não associem com outro rato, Diogo Mainardi), como a frieza, a inteligência, a destreza e a perspicácia a ponto de muitos entretenimentos apostarem em anti-heróis ou mesmo na própria vilania como centro do enredo (vide o atual Esquadão Suicída).

Mas com Michel isso não acontece, pois nem mesmo a empatia - um sentimento que devemos cultivar e praticar no dia a dia - um traidor desse nível consegue cativar. Aliás, dos milhares de sentimentos que demostramos como seres humanos, de uma escala que vai da "repulsa total" até a "amor cristão", um ser tão pequeno como o presidente golpista não consegue passar da marca "nojo".

Temer é como o Gollum no Senhor dos Anéis, Efialtes nos 300 de Esparta, as irmãs invejosas da Cinderela ou Salvatore Tessio do clássico O Poderoso Chefão: um traidor que todos torcem contra, até adolescente passando pela fase de rebeldia (na minha fase, eu tinha um apreço enorme pelo Vegeta do Dragon Ball Z).

O presidente golpista nunca vai ser como Scar, do Rei Leão, capaz de fazer um discurso épico juntando Hienas e Leões para uma nova era. Não conseguiria sequer segurar um gato como Ernst Blofeld do 007 (afinal, o felino ia parecer mais malvado que ele), ser admirado por espalhar o caos como o Coringa e nem mesmo pode ser comparado a Frank Underwood, da série House of Cards. Temer é fraco e ordinário demais para ser algum tipo de vilão e, se não fosse a mídia conveniente e interessada em seu pacote de maldades contra o povo brasiliero, não sobreviveria um ano a frente da presidência da república (ainda sim, é arriscado ele não durar).

Nesse sentido, o encerramento das olimpíadas apenas confirmaram o que todos já sabiam: que Temer não tem a menor capacidade de se mostrar para o mundo, tamanha é sua insignificância perante o legado deixado pelo governo popular que ele assaltou, construído pelo presidente Lula e pela presidenta Dilma Rousseff.

Foi triste ver um evento vitorioso ser finalizado com tamanho vexame, no qual o Brasil foi incapaz de apresentar ao mundo o seu chefe de Estado (que estava com medo de algumas vaias). Além disso, a deselegância e a mal educação que o país sede apresentou com os próximos anfitriões, os japoneses, será algo que marcará negativamente toda história dos jogos olímpicos. É como receber um hóspede em casa, servi-lo com um café frio e um pão de queijo duro e sequer levá-lo até a porta no fim da visita (aqui em Minas isso é impensável).

Ademais, ainda mais triste é pensar que boa parte da população brasileira é conivente com um rato roendo a faixa da presidência por estar altamente contagiada com ódio e intolerância, criada pela elite mais vira-lata do mundo, e sem pensar nas mazelas que um covarde como Temer, um traidor desprovido de honra, pode fazer para colocar em prática os objetivos baixos e mesquinhos da burguesia que o controla, a verdadeira vilã do nosso contexto.

E assim segue a vida de um golpista que chega ao poder pela porta de trás e vive pelas sombras da plutocracia: hora após hora, dia após dia, sempre temendo. Teme vaias, público e críticas, não tendo coragem sequer de enfrentar o povo que, supostamente, deveria ser o responsável por escolher o cargo que ele usurpou.

Temer, nunca um verbo serviu tão bem como sobrenome.



*Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense




O Cafezinho
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;