João Pedro Stédile foi entrevistado no programa do DCM na TVT. O fundador do MST está satisfeito com o sucesso da loja de produtos orgânicos no centro de São Paulo, ao lado da sede num antigo casarão de uma família quatrocentona cujo último descendente, conta Stédile, mantinha uma empregada no porão.

Ele confessa apreensão com o que acontecerá depois que o golpe for consumado e Temer assumir. O que fará o MST? Em resumo, não tem arrego.

Stédile falou sobre o que acha que virá por aí:

“Passado o impeachment, a luta vai se acirrar. As razões desta crise são muito profundas e não têm nada que ver com o governo Dilma, faz parte do contexto internacional da crise do capitalismo, faz parte da crise desta forma de falsa democracia burguesa em que as empresas sequestraram o direto do voto e produziram este congresso que não espelha a sociedade brasileira.

Os movimentos populares precisarão seguir se articulando e atuando nos vários espaços. Se os golpistas se consolidarem, nós teremos que fazer uma luta para defender os direitos para impedir toda essa avalanche que os capitalistas estão expondo publicamente.

Querem utilizar o governo para reimplantar políticas neoliberais para o petróleo, a água, a biodiversidade… Usarão recursos públicos para as empresa saírem da crise.

Essa tentativa dos golpistas de voltar com o plano neoliberal que até o FMI já abandonou é absurda. O neoliberalismo está fadado ao fracasso. Só vai aumentar as contradições e eles sabem disso.

Por isso eles querem fazer isso rápido. Veja como eles articulam a base parlamentar deles: já está na última fase de votação o projeto da privatização do pré-sal.

Ao se consolidar o golpe e o plano neoliberal, as contradições vão se acirrar muito, inclusive com os casos de corrupção do governo Temer.

A Odebrecht disse que deu 10 milhões em dinheiro vivo para o Temer e a imprensa esquece?

E os 23 milhões do Serra? E os milhões do Aécio? E o caso de furnas? O golpe não significa que governo Temer é um governo perene. Eu acho que a burguesia tende a derrubar o Temer no ano que vem e trocar pelo Meirelles”.

O programa do DCM na TVT é apresentado por Marcelo Godoy e dirigido por Max Alvim.

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: