O dedurismo é próprio das ditaduras.

O argumento “legitimador” da delação, que seria o bem comum, é simples fachada.

A motivação, como se viu abundantemente na Lava Jato, é a vantagem de pagar menos, com reduções de pena, ou pagar nada, com a liberdade de fruir do produto de sua ladroagem, apenas levemente incomodados, por algum tempo, com uma tornozeleira high-tech.

Agora, os neo-udenistas de toga, juízes e procuradores, além dos deputados “pelo amor de meus filhinhos” querem “desburocratizar”.

É dinheiro vivo, mesmo, uma “comissão sobre o roubo”, paga em dinheiro, para o delator.

Imagine que maravilha: você, gestor ou dirigente de qualquer órgão público ou privado, vigiado por seus auxiliares à procura de um deslize – ou algo que possa parecer um deslize – que lhes renda “algum”.

E, se não tiver, porque não “armar”? Afinal, que se rebaixa a calhordice de viver espionando, porque não descerá ao degrau da fraude?

Afinal, se você é de esquerda ou não concorda com o estado policial, certamente é um ladrão.

Se for de direita, passa batido, como passou a mala do Delfim Netto com R$ 240 mil de Odebrecht, isso para falar em um “paco” só.

Mas se você denunciar conspirações de governo, como fizeram Julien Assange e Edward Snowden, bem aí é o exílio, a perseguição, a morte em vida.

Na ditadura militar, o Stanislau Ponte Preta, resumiu o caráter do dedo-duro na história de Pedrinho, que quebrou uma vidraça jogando bola mas pôs a culpa no garoto vizinho. E, levado pelo pai para tirar a limbo a história, foi logo avisando a ele:

– Papai, esse menino do vizinho é um subversivo desgraçado. Não pergunte nada a ele não. Quando ele vier atender a porta, o senhor vai logo tacando a mão nele.

No civilizado Brasil de hoje, em lugar de tacar a mão, chamaria o japonês contrabandista e levava para Curitiba.



TIJOLAÇO
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;