O México, muito apreciado pela turma do deus mercado, segue assistindo sua empresa de petróleo, a Petróleos Mexicanos (Pemex), perder produção, aumentar sua dívida, com déficits de caixa, sem liquidez e sem investimentos.

Em matéria da agência de notícias financeiras do mercado, a Bloomberg, as condições da empresa estatal do setor de petróleo é tida como crítica. Sua produção de petróleo que já chegou a 3,39 milhões de barris de barris por dia (mi bpd) em 2004, no ano passado já tinha caído para 2,27 milhões mi bpd ano passado, quando teve um prejuízo de US$ 30 bilhões.


Havia uma previsão de recuperação para a pordução de 2,8 milhões de bpd em 2018. Agora, a Bloombergbaseada em relatório de analistas do setor de petróleo do banco americano Morgan Stanley diz que a produção da Pemex poderá cair para apenas 1,6 mi bpd até 2020.

A estatal segue com déficits de fluxos de caixa da ordem de US$ 22 bilhões, quase o dobro do déficit de US$ 13 bilhões no ano passado. Em maio passado, o Ministério da Fazenda do México teve que assumir US$ 10 bilhões em passivos de pensões da empresa. Além disso realizou transferências e fez injeção de capital para quitar dívidas da empresa, em cerca de mais US$ 6,6 bilhões. A dívida total da empresa já passou dos US$ 100 bilhões.

O petróleo que até aqui era o principal eixo do crescimento econômico mexicano, agora sofre com a fase de colapso do ciclo do petróleo e deverá se reduzir ainda mais, considerando ainda que seu principal mercado sempre foi os EUA que nos últimos anos passou a produzir mais com o xisto e a importar menos.

Observem que isto ocorre, apesar do México possuir a nona maior reserva de petróleo do mundo com cerca de 72 bilhões de barris, segundo estudos e projeções da consultoria norueguesa Rystad Energy, em estudo divulgado em julho último.

A empresa que já sofreu o baque com a quebra de monopólio que o governo mexicano fez para o setor em 2014, sofre agora com estes diversos problemas.

Interessante ainda identificar que ao contrário desta realidade, a Petrobras, mesmo sendo ainda mais pressionada tanto pelos desvios da Operação Lava Jato, quanto pela fase de colapso do ciclo petro-econômico, que atinge todas as petroleiras do mundo, a estatal segue ampliando suas reservas e a sua produção, sendo uma das poucas a ampliar sua produção com a nova fronteiras exploratória do pré-sal.

A Petrobras também tem uma grande dívida, mas não tem déficit de caixa e nem acumulou prejuízos seguidos e tão grandes, além de estar com relação à produção num caminho exatamente ao inverso de, praticamente, estar dobrando sua produção na última década, enquanto que a Pemex está vendo sua produção cair à metade, neste mesmo período. Os investimentos da Petrobras se reduziram como feito com outras petroleiras do mundo, mas não foi praticamente cortado, com acontece com a Pemex.

Antes de concluir vale ainda observar que a quebra do monopólio do setor de petróleo, feito já há dois anos, ao contrário do que foi falado, não produziu ainda nenhum resultado para o país.



Blog do Roberto Moraes
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;