Dilma Roussef e Eduardo Cunha separados por Renan Calheiros. Foto Orlando Brito
Não se fala de outra coisa, à boca pequena, no Congresso: o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) está ameaçando denunciar todos aqueles que um dia foram seus aliados e que agora permitirem que seja cassado.



O jornal “O Estado de S.Paulo” diz até que ele estaria preparando um dossiê com dados sobre aliados para uma eventual delação premiada.

O fato é que, ao mesmo tempo em que essas ameaças circulam com mais vigor, também começam a ser discutidas nos corredores novas datas para a votação da cassação do deputado em plenário.

Bloco de partidos comandado por Eduardo Cunha, o Centrão pressiona o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para a deixar a votação para setembro. Tese que, nos bastidores, já ganha a simpatia de alguns articuladores do governo: votar a cassação depois que o Senado aprove definitivamente o impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff.

Mas o que uma votação tem a ver com a outra?

É que a cúpula do PMDB mais ligada ao governo foi durante muito tempo também muito ligada a Eduardo Cunha. Se ele se sentir traído por uma eventual derrota em plenário e suas ameaças forem verdadeiras, a delação atingiria boa parte dos principais articuladores do impeachment.

Para Cunha, deixar a votação para setembro — ou seja, depois da votação do impeachment e numa data mais próxima das eleições municipais de outubro — aumenta a probabilidade de baixo quórum em plenário. E até de que seu caso fique para mais adiante ainda.

E, como já foi dito aqui, quanto mais tempo Eduardo Cunha ganhar, mais tempo terá para tentar tirar o julgamento de sua mulher e filha do fórum de Sérgio Moro, em Curitiba.

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;