O mundo, e o próprio FMI, já constatam fracasso das políticas de “ajuste fiscal”. Mas num Brasil bizarro, mídia repercute falas dos “especialistas”. Para eles, Banco Central deveria reescrever a Constituição

Por Felipe Calabrez

O cenário econômico atual tem suscitado muitos debates e questões interessantes. A Europa se vê afundada em recessão e ciclos de baixíssimo crescimento, o que tem levado os países membros da zona do euro a enfrentar o dilema de como manter seus modelos de wellfare state e, ao mesmo tempo, realizar políticas fiscais discricionárias que lhes permitam reverter o ciclo recessivo, o que se mostra impossível dadas as amarras fiscais que não permitem produzir déficits fiscais acima de 3% do PIB. Esse dilema tem suscitado debates e reposicionamentos não apenas sobre a questão fiscal – a crítica cunhou o termo “austericídio” – como também sobre as amarras que a moeda única impõe à competitividade dos países membros e o papel da hegemonia alemã. Relatórios recentes do FMI têm demonstrado uma mudança de posição em relação às “recomendações” intensamente privatistas e “liberalizantes” da década de 1990, o que parece mais que razoável depois de 2008. Também a desaceleração da máquina industrial chinesa tem preocupado analistas do mundo todo, por conta dos seus efeitos sobre a política monetária e externa norte-americana e sobre as economias dos chamados países emergentes. No entanto, o debate no Brasil, se tomarmos como referências os grandes jornais, telejornais e os economistas de maior projeção midiática, tem se restringido a uma repetitiva e pobre questão fiscalista que aparece, invariavelmente, de maneira desconectada do mundo, como se o país estivesse em um planeta à parte.

As duas questões mais abordadas nos debates nacionais parecem ser, disparadamente, a questão da dívida pública – e aqui a questão fiscal aparece de maneira subordinada a ela – e o velho fantasma da inflação. Ocorre que ambas estão profundamente relacionadas e, apesar da retórica sobre o “bem do país”, o que há por trás são os interesses de um enorme mercado preocupado com a solvência e rentabilidade dos títulos públicos.

A questão da dívida pública recentemente voltou à tona com toda força nas páginas dos jornais e é invariavelmente apresentada pelos jornalistas e especialistas sem nenhuma comparação com outros países. Assim, apesar do enorme alarde sobre o perigo de insolvência do Estado (por conta de uma dívida em moeda que ele próprio pode emitir), o nível de endividamento interno do Brasil é muito inferior à média dos países do mundo, fechando o ano de 2015 abaixo do de países como Alemanha, Reino Unido, Japão, E.U.A, para não falar do grupo de países europeu mais endividados. É certo que está acima da maioria dos países latino-americanos, o que corrobora o argumento de que a comparação deve ser cuidadosa, no entanto, necessária.

O argumento difundido pelos especialistas de mercado é o de que o importante não é tanto o nível do endividamento (dívida/PIB) mas sim sua trajetória, que deve se mostrar sustentável no longo prazo. E é aqui que se explica o alerta que soou nos mercados financeiros recentemente: A dívida bruta saltou de 53,3% do PIB em 2013 para 66% em 2015. Na narrativa hegemônica, essa deterioração tem sido constantemente relacionada ao fato de que o governo Dilma não conseguiu produzir o tão sagrado superávit primário (receitas – despesas, exceto as referentes aos juros) tendo entregado as contas com déficit primário de 0,6 e 0,4% do PIB em 2014 e 2015, respectivamente.

O que pouco se diz, entretanto, é que a descomunal conta de juros que incide sobre a dívida possui peso explicativo muito maior do que os déficits primários. Assim, de acordo com cálculos de Fernando Nogueira da Costa, o gasto do governo com juros nominais (no acumulado de 12 meses até 05/2016) foi de R$454 bilhões, o que corresponde a 7,57% do PIB. Também o resultado primário, no acumulado do mesmo período, se deteriorou, chegando a 2,51% do PIB, o que, somado à monumental conta de juros, produziu um déficit nominal de R$604,6 bilhões, o equivalente a 10,08% do PIB! Esses resultados, se comparados com os de outros países, mostram que o Brasil está absolutamente na média no que diz respeito aos superávits primários – é comum que países em recessão não produzam superávit primário – mas está totalmente fora da curva quando se calcula o peso da conta de juros sobre o PIB, que é, por sua vez, a principal explicação para o péssimo resultado nominal.

Entretanto, na contramão dos dados e da comparação, o alarde dos especialistas de telejornal sempre diz respeito ao resultado primário. O que esse enfoque no resultado primário omite é que a conta de juros no país é tão alta que mesmo que o governo tivesse produzido resultados primários de, digamos, 2% do PIB (em plena recessão), isso não seria suficiente para estabilizar a relação dívida/PIB, já que só os juros que sobre ela incidem contabilizam mais de 7% do PIB. Desse modo, persistiria um enorme déficit nominal a ser financiado por meio da emissão de nova dívida. Simplificando, podemos dizer que a principal explicação para o crescimento da dívida reside na conta de juros que incide sobre sua própria rolagem, e não, como alardeia o discurso dominante, em um excesso de gastos sociais.

E aqui chegamos ao ponto central: Essa omissão e manipulação da explicação das principais causas dos fenômenos é essencial para que determinados projetos políticos encontrem justificação e legitimação. E o momento que vivemos no país é alarmante. Um determinado projeto político, que sequer foi sufragado nas urnas, agora procura se impor a todos os brasileiros na marra, respaldado pela retórica da “única alternativa possível”, “correta” e “responsável’: a política de cortes de gastos sociais e investimentos públicos. É disso que se trata a PEC 241, que visa limitar o crescimento das despesas correntes às dos ano anterior corrigidas pela inflação. Essa medida, apresentada como prioridade do governo, da “equipe econômica” e do atual Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, representa o maior retrocesso da história da Nova República.

Assinada por Henrique Meirelles e Dyogo de Oliveira (Ministros da Fazenda e Planejamento), a proposta parte de dois diagnósticos nada consensuais: i) A raiz do desequilíbrio fiscal reside no crescimento da despesa primária do governo; ii) A explicação para a recessão atual reside nesse desequilíbrio fiscal, e não o contrário, como apontam economistas “heterodoxos” como João Sicsu e diversos outros. Aqui vale notar que, ainda que possamos discutir qual o diagnóstico correto, essa discussão encontra espaço limitado. Essa discussão – e o espaço para o contraditório – são simplesmente bloqueados nas principais instâncias decisórias da política econômica e no universo das altas finanças. Este universo, ao contrário, tem demonstrado enorme euforia com a medida, que, vale ressaltar, visa restringir os gastos primários do governo mas nada diz sobre aquilo que é o ponto fora da curva na contabilidade nacional; as despesas financeiras.

Passemos então à segunda questão também incessantemente tratada no debate público; a inflação. Na ata da 200ª reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, publicada em 20/07/2016, os diretores da instituição decidiram, por unanimidade, manter a taxa Selic em 14,25%. No documento são elencadas as principais variáveis observadas para embasar a decisão: inflação corrente, inércia inflacionária, ajuste fiscal e expectativas de inflação. Curiosamente, é mencionada a elevação dos preços de alimentos e seus efeitos sobre a inflação corrente e, consequentemente, sobre as expectativas de inflação futura, quando é quase consensual no debate acadêmico que a eficácia de combater inflação de alimentos com aumento de juros é quase nula, superada pelos efeitos negativos sobre o quadro fiscal e a atividade econômica.

Mais adiante, na descrição do cenário atual, o documento destaca um ponto positivo, que seria “o processo contínuo de distenção do mercado de trabalho e a desaceleração significativa da atividade econômica”. Vale destacar que não é nada forçoso dizer que para os diretores do Banco Central recessão e desemprego são elementos positivos. Eles são explicitamente apresentados como positivos, e por um único e simples motivo: a missão institucional do BC é tão somente trazer a inflação para o centro da meta e ancorar as expectativas dos agentes, não importando muito os fatores causadores e mantenedores da alta de preços, nem o altíssimo custo fiscal que a subida de juros produz sobre a rolagem da dívida pública e nem os custos sociais do desemprego e recessão. Assim, estes últimos podem perfeitamente ser apresentados como aspectos positivos por conta de seus efeitos desinflacionários.

Por fim, há um elemento na ata que chama atenção. Afirma-se que “os ajustes necessários podem ser aprovados e implementados de forma mais célere, permitindo ganhos de confiança e queda nas expectativas de inflação”. A menção à necessidade de aprovação congressual de medidas de ajuste fiscal, uma clara referência à PEC 241, denota uma perversa ingerência dos tecnocratas do BC em questões que deveriam ser da alçada da política. É sabido que qualquer declaração no sentido contrário, isto é, um Ministro da Fazenda recomendando juros menores, seria lido pelos mercados e seus analistas como “ingerência política” sobre a instituição que, como prega o credo liberal, deve ser independente dos governos. A ata dos diretores do BC denota então que não lhes satisfaz mais a completa perda de controle dos governos sobre as taxas de juros da economia e sobre a política monetária. O próximo passo é recomendar à própria política aquilo que deve e aquilo que não deve ser feito, com o que contarão com a inestimável ajuda de Henrique Meirelles, o “homem do mercado”, que já reiterou em recente entrevista na Folha (25/07/2016) que cumprir a Constituição de 1988 é inviável fiscalmente.

E aqui o círculo fecha; aquilo que parece uma ingerência dos tecnocratas na “política” é a própria política atual, é o próprio projeto em curso hoje no Brasil, que rechaça o crescimento do Estado nas áreas sociais e a manutenção de políticas inclusivas e de investimentos. Como esse projeto não é sufragado nas urnas, ele só pode (e pôde) ser imposto por meio de manobras parlamentares (e piruetas jurídicas) e justificado por tecnicalidades. Urge, portanto, rasgar o seu véu tecnicista. Diante do ataque a diversos direitos conquistados pela luta política, convém questionar aquilo que parece ser um direito absoluto e jamais questionado, porque legitimado por uma “ciência das finanças”: O direito ao rentismo, que garante ganhos de juros reais (acima da inflação) a aplicadores de títulos públicos, em plena recessão e ao custo do orçamento público. É urgente trazer essas questões de volta à arena política, para que discutamos e disputemos politicamente o projeto ora em curso antes que a Carta Constitucional se torne produto dos gestores e analistas de aplicações financeiras.

Outras Palavras
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;