Dickens tem uma abertura de romance que passou para a história do melhor da literatura mundial. É do livro Conto de Duas Cidades.

Vou simplificar.

“Foram os melhores dos tempos, foram os piores dos tempos, foi a era da sabedoria, foi a era da estupidez, foi a estação da luz foi a estação das trevas.”

É a perfeita definição dos Jogos do Rio.

Foram sublimes e foram deprimentes.

A beleza esteve na competência com que o Brasil administrou a Olimpíada, a despeito dos vaticínios da imprensa abutre.

Fazia parte do jornalismo de guerra dads grandes empresas jornalísticas descrever o Brasil de Lula e de Dilma numa selva, num país primitivo, incapaz de ser sede digna de uma Copa ou de uma Olimpíada.

É claro que, se o golpe tivesse vindo antes, o comportamento da mídia teria sido bem diferente. Os Jogos do Rio teriam sido antecipadamente um grande triunfo.

A beleza esteve também no desempenho dos atletas. Num país cuja autoestima está ancestralmente tão vinculada ao futebol, a medalha de ouro da turma de Neymar tem um significado simbólico extraordinário.

O ouro final do vôlei, no último dia dos Jogos, foi um acréscimo majestoso à glória futebolística.

A beleza esteve também na sagração de atletas de origem humilde, beneficiados por programas sociais dos governos de Lula e de Dilma. De Rafaela a Isaquias, foi a confirmação da importância vital dos programas sociais.

De volta a Dickens, o horror esteve num governo ilegítimo, covarde, usurpador, emasculado, personificado em Michel Temer.

Seu comportamento foi vil, pusilânime e oportunista ao longo das duas semanas da Rio 2016.

Começou na abertura, quando Temer montou um esquema — fracassado, de resto — para não ser vaiado. Parecia não um estadista, que nunca foi, mas um indivíduo acoelhado, um fugitivo com medo da própria sombra.

A postura abjeta perdurou ao longo da competição. No Twitter, Temer chamou a si o crédito pela vitória no futebol.

“A seleção olímpica de futebol conquista ouro inédito em momento histórico do país”, escreveu.

Ora, ora, ora.

Momento histórico? Só se for pelo lado da vergonha. A plutocracia roubou 54 milhões de votos e suprimiu uma democracia jovem e frágil.

O jornalista Glenn Greenwald retuitou o disparate de Temer, com a seguinte observação: vale a pena ver as respostas.

Vale mesmo.

Selecionei dez, com as grafias originais. Peço desculpas pelos palavrões, mas as circunstâncias são especiais:

1) SAI DAQUI RIDÍCULO.

2) cala a boca golpista.

3) VAI TOMAR NO CU SEU FILHO DA PUTA.

4) Primeiramente, #foratemer.

5) FORA TEMER OPORTUNISTA DO CARALHO.

6) vai se fuder.

7) momento histórico da vergonha! O Brasil sendo destruído por vcs, golpistas e inimigos da nação.

8) O QUE TU FEZ PELAS OLIMPÍADAS, GOLPISTA E USURPADOR?

9) agora só falta tu voltar pro lugar de onde nunca deveria ter saído: o nada. IMUNDOOOOOOOOO!!!

10) FORA VAMPIRO, GOLPISTA DOS INFERNOS, MORRE DIABO!!!

Enfim: a Rio 2016 trouxe momentos de luz e trouxe momentos de trevas.

A escuridão residiu em Temer e em tudo aquilo que ele representa.


Diário do Centro do Mundo
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;