O Globo



Manchete : Julgamento de Dilma deve ser antecipado
Relator diz que petista fez um ‘atentado à Constituição’

Presidente interino quer tentar aprovar afastamento definitivo antes do G-20, na China, que começa dia 2 de setembro; Lewandowski não se opôs

Após o relator no Senado, Antonio Anastasia (PSDB), endossar o impeachment de Dilma Rousseff com o argumento de que as pedaladas fiscais foram “atentado à Constituição”, o governo Temer iniciou operação para antecipar a votação final. Depois de almoçar com Temer, o presidente do Senado, Renan Calheiros, anunciou a antecipação de 29 para 25 de agosto. O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, que comandará o julgamento, não se opôs. (Págs. 3, 4 e Merval Pereira)


Ação multipartidária
A Queiroz Galvão, última grande empreiteira a entrar na mira da Lava-Jato, é suspeita de beneficiar PT, PP, PSDB e PMDB. (Pág. 8)


Atletas entram em campo para abrir Jogos
Partidas começam hoje com futebol feminino, e amanhã já será feriado. Pelé foi convidado para acender a pira

A Olimpíada será aberta oficialmente na sexta, mas hoje começam os Jogos, e a tocha olímpica desembarca no Rio. O Estádio Olímpico, o Engenhão, recebe as primeiras partidas de futebol.

Chefe do comitê da Austrália agora rasga elogios à Vila (Caderno Especial)


Petrobras tem vitória nos EUA
A Justiça americana suspendeu temporariamente uma ação coletiva e 27 ações individuais de acionistas contra a Petrobras. Decisão pode fortalecer argumento da estatal de que foi vítima de corrupção. (Pág. 19)


Mercosul pode punir Venezuela
Brasil, Argentina e Paraguai estudam suspender a Venezuela do Mercosul por não cumprir parâmetros democráticas do bloco, informam ELIANE OLIVEIRA e JANAÍNA FIGUEIREDO. (Pág. 21)


Liquigás terá venda disputada
As quatro maiores distribuidoras de GLP no país estão interessadas na Liquigás, revelam RAMONA ORDOÑEZ e BRUNO ROSA. A Petrobras recebe propostas dia 19. (Pág. 19)


Indústria reage com alta no investimento (Pág. 22)



------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo



Manchete: Congresso afrouxa contenção de gastos proposta por Temer
Economistas dizem que ajuste das contas públicas prometido pelo governo corre risco

No primeiro teste no Congresso de medidas de contenção dos gastos propostas pelo governo de Michel Temer, foram retirados do projeto de lei que autoriza a renegociação das dívidas estaduais dispositivos que impunham maior disciplina nos gastos, sobretudo com pessoal, como contrapartida ao socorro financeiro. Na versão do projeto que circulava ontem, havia sido suprimida a proibição aos Estados de dar reajustes ou contratar funcionários. Também caiu a obrigatoriedade de inclusão na folha salarial dos gastos com terceirizados. O governo fez ainda outra concessão: elevou para R$ 500 milhões a parcela máxima do desconto a ser dado na mensalidade da dívida estadual. O limite era de R$ 300 milhões. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que “as mudanças, se houver, serão para melhor, para o projeto ficar mais consistente”. Economistas avaliam que as alterações são demonstração de fraqueza política do governo. A votação deve ocorrer na próxima semana. (Economia/Págs. B1 e B3)


Monica De Bolle
O pulso firme do início do governo de Michel Temer enfraqueceu ante a constatação de que a política é a mesma e os políticos, os mesmos – inclusive o próprio presidente em exercício. (Pág. B5)


Pressionado, Renan quer antecipar impeachment
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou ontem que antecipará o início da votação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff para o dia 25 ou 26. Decisão foi anunciada após almoço com o presidente em exercício Michel Temer. “Se depender de mim, concluiremos antes do fim de agosto”, disse. Segundo o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, data será marcada após votação do dia 9. (Política/Pág. A7)


Dilma: PT tem de admitir erros
A presidente afastada disse que o PT precisa admitir erros e passar por “uma transformação ética”. Ela afirmou que sobrevida do partido depende dos militantes. (Pág. A7)


PF prende executivos da Queiroz Galvão
A força-tarefa da Operação Lava Jato fecha o cerco a integrantes do grupo de grandes empreiteiras do esquema de corrupção na Petrobrás. Na 33.ª fase da operação, a Resta Um, a Polícia Federal prendeu o ex-presidente da Queiroz Galvão Ildefonso Colares Filho e o ex-diretor Othon Zanoide Moraes Filho. Terceira maior empresa em volume de contratos na estatal, empreiteira informou que “está cooperando com autoridades e franqueando acesso às informações”. (Política/Pág. A4)


Relator quer mudar regra de indicação no STF
Relator da comissão especial da Câmara que analisa medidas anticorrupção, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) pretende incluir em seu relatório mudanças na indicação dos ministros do STF, hoje exclusividade do presidente da República. (Política/Pág. A6)


RN registra 80 ataques em quatro dias de tensão (Metrópole/ Pág. A14)



Dora Kramer
Na frente dos bois

Há três hipóteses para o lançamento da candidatura de Michel Temer à reeleição em 2018: bajulação, falta de assunto ou fogo inimigo. (Política/Pág. A6)


Notas & Informações
A indústria reage

As melhores notícias da economia têm sido os sinais de recuperação da indústria. (Pág. A3)

O samba do partido doido

Há carradas de razões para impeachment de Dilma. E o voto do PT é prova cabal de lesa-inteligência. (Pág. A3)


------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo



Manchete: Renan acelera impeachment após sofrer pressão de Temer
Relator do caso vê crime de responsabilidade de Dilma, que nega as acusações

Após pressão do governo Michel Temer (PMDB), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que o processo de votação do impeachment de Dilma Rousseff deve começar em 25 ou 26 de agosto. A sessão pode durar até cinco dias. A data é anterior à que havia sido acordada com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski,— 29 de agosto. Temer pressiona para poder viajar para a cúpula do G20, em setembro na China, como presidente efetivo. Aliados da presidente afastada criticaram a antecipação e prometeram retaliar. Em resposta, Renan afirmou que nem Dilma aguenta mais a demora do processo. O relator do caso, Antonio Anastasia (PSDB-MG), divulgou voto nesta terça (2). Para ele, há provas, por ação direta ou omissão, de que houve crime de responsabilidade de Dilma Rousseff. A petista nega que tenha cometido fraude fiscal e diz que houve desvio de poder de Eduardo Cunha na abertura do processo. (Poder A7)


Russomanno muda versão sobre acusação de peculato
Celso Russomanno (PRB), candidato à Prefeitura de São Paulo, mudou versão sobre servidora da Câmara que teria atuado como funcionária de sua produtora, informa Reynaldo Turollo Jr. Ele responde a acusação de peculato no Supremo,que pode impedi-lo de concorrer. Sandrade Jesus assinou a carteira de trabalho de uma funcionária da produtora. Após ser confrontado pela Folha, Russomanno, que antes negava que ela tivesse atuado na empresa quando era servidora, agora diz que ela o fez fora do horário de expediente da Câmara. (Poder A4)


Governo decidirá se os candidatos a cotas em concurso são mesmo negros (Cotiano B9)



Ex-executivos da Queiroz Galvão são presos de novo na Lava Jato (Poder A8)



Governo gasta 5 vezes mais com inspeções nas arenas (B6)



Editoriais
Leia “Caixa-preta explosiva”, sobre sigilo de documentos da Defesa, e “Comissários raciais”, acerca de verificação da autodeclaração de cor. (Opinião A2)


------------------------------------------------------------------------------------

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;