Ao ser confrontado pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS) sobre as escutas ilegais da presidenta Dilma Rousseff e a condução coercitiva do ex-presidente Lula, Moro se limitou a dizer “não vou comentar casos concretos”


O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, participou de um debate nesta quinta-feira (4) da primeira audiência pública da comissão especial da Câmara dos Deputados criada para analisar o projeto anticorrupção.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) fez uma fala criticando a seletividade da Justiça brasileira como no caso conhecido como Banestado e a falta de medidas de combate à corrupção contra juízes e procuradores que vendem sentença.

“Seletividade que permite que a imprensa e a Justiça não tenha cobrado na época da investigação do Banestado tanta eficiência, tanto rigor, tanta punição como nós gostaríamos que ele tivesse em todos os casos e não só em alguns”, disse o deputado.

Paulo Pimenta seguiu seu raciocínio criticando as atitudes de Sérgio Moro ao divulgar as escutas telefônicas do ex-presidente Lula e a presidenta afastada Dilma Rousseff.

“Quando se fala da legislação americana, imagina presidente [da comissão], se um juiz de primeira instância de um Estado dos Estados Unidos captasse de maneira ilegal uma conversa telefônica entre o Bill Clinton e o Obama e jogasse nas redes de televisão? Qual teria sido a atitude da Justiça?”, questionou.

O petista usou também como exemplo a condução coercitiva do ex-presidente Lula pela Operação Lava Jato a pedido de Sérgio Moro.

“Ou uma condução coercitiva sem necessidade de um ex-presidente da República para gerar manchetes e fatos denunciadas inclusive por ministros do Supremo Tribunal Federal como excessivas e desnecessárias”, completou.

Na época , o ministro Marco Aurélio Mello fez críticas duras à atitude de Moro.“Condução coercitiva? O que é isso? Eu não compreendi. Só se conduz coercitivamente, ou, como se dizia antigamente, debaixo de vara, o cidadão que não resiste e não comparece para depor. E o Lula não foi intimado”, argumentou.

Segundo ele, a justificativa de Sergio Moro de que a condução foi realizada para assegurar a segurança de Lula não é convincente. “Será que ele [Lula] queria essa proteção? Eu acredito que na verdade esse argumento foi dado para justificar um ato de força”, disse.

Moro se recusou a responder o deputado Paulo Pimenta e disse que seu tempo havia acabado.

“Ouvi as questões do deputado Paulo Pimenta e não vou comentar casos concretos e infelizmente meu tempo acabou e vou pedir escusas mais uma vez aos senhores parlamentares e as senhoras parlamentares”, concluiu.

O juiz Sérgio Moro foi à Câmara para defender as 10 medidas contra a corrupção – projeto (PL 4850/16) que está em análise em uma comissão especial da Câmara. Ele endossou o projeto e pediu a aprovação das medidas. “Claro que essa Casa tem a prerrogativa de debatê-lo, mas, nesse contexto, queremos que o Congresso faça sua parte e se junte a outras instituições no combate à corrupção”, disse.

Além de defender o PL, Moro criticou o foro privilegiado, o qual ele também é beneficiário,segundo o juiz isso “fere a ideia básica da democracia de que todos devem ser tratados como iguais. Não existe razão para salvaguardas”.


Foto de Capa: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados



Portal Fórum
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;