Ricardo Barros (PP) disse ainda que os homens “são os provedores da  maioria das famílias e não acham tempo para a saúde preventiva”



O ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), disse nesta quinta-feira (11) que os homens vão menos ao médico porque “trabalham mais e são os provedores da família”.

O motivo justificado pelo ministro foi por conta do resultado de uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde que constatou que 31% dos 6.141 homens entrevistados pelo telefone não procuram os serviços de saúde para buscar auxílio na prevenção de doenças. O estudo só ouviu homens cujas parceiras fizeram o parto no SUS (Sistema Unificado de Saúde).

O motivo que leva a esse cenário, segundo o ministro, é “uma questão de hábito, de cultura, até porque os homens trabalham mais, são os provedores da maioria das famílias e não acham tempo para se dedicar à saúde preventiva. (…) É uma cultura que precisa ser modificada. Quem precisa acha tempo”, afirmou.

No entanto, a própria pesquisa diz que apenas 2,8% dos homens disseram que não vão ao médico por conta do horário de funcionamento das unidades. A maioria, 55%, disse que “nunca precisou” e que só procura atendimento em situações de emergência. Outros 17,4% alegam utilizar a rede privada e 14,5% reclamam da demora no atendimento.

Foto de Capa: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

 Portal Forum
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;