Na capa dessa semana, revista contradiz a própria reportagem e, sem querer, alerta para as injustiças cometidas contra a presidenta afastada


Por Matheus Moreira


A revista IstoÉ dessa semana traz na capa, com destaque, a votação final do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, que deve acontecer no próximo dia 25. O texto de chamada para a reportagem, em ato falho, aponta que “crimes contra Dilma ficaram evidentes”, na contramão da matéria e também da linha editorial conhecida da empresa, de duras críticas à petista.

Condenada pela Justiça de Brasília, a publicação já foi responsável por uma série de ataques à presidenta, com acusações infundadas e teor misógino. Na época, a juíza que condenou a revista declarou que o direito de resposta de Dilma era assegurado pelo art. 5º, V, e que a liberdade de imprensa “não autoriza qualquer meio de comunicação a divulgar deliberadamente quaisquer informações se escondendo sob o manto do direito de informação, uma vez que tal direito tem que ser guiado pela veracidade do conteúdo publicado”.

Agora, neste ato falho, a IstoÉ estampa na sua capa a crítica de manifestantes contra o golpe parlamentar, formados por movimentos sociais, sindicais, personalidades políticas e intelectuais. A uma semana do julgamento final, a revista que atacou Dilma “muda de lado” involuntariamente por erro na finalização da edição.

Foto: Reprodução/Facebook Mídia Ninja


Portal Fórum
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;