No dia 1o. de agosto de 1914, quatro dias após o Império Austro-Húngaro ter declarado guerra à Sérvia, outras duas potencias europeias - Rússia e Alemanha - fizeram o mesmo. Ainda neste dia, a França ordenou uma mobilização geral. Era o começo da então chamada "Grande Guerra", um conflito sem precedentes no que diz respeito à destruição territorial e perdas de vidas. Foram mais de 20 milhões de mortos, entre soldados e civis, que deixou o continente europeu devastado.

Reconhecidamente, a "gota d'água" para a Primeira Guerra foi o assassinato do arqueduque Francisco Ferdinando, herdeiro do Império Austro-Húngaro, e sua esposa, pelo sérvio-bósnio nacionalista Gavrilo Princip, em Sarajevo. Ao longo das semanas que se passaram, o império Austro-Húngaro culpou o governo sérvio pelo ataque, na esperança de usar o incidente como justificativa para a solução do problema do nacionalismo eslavo na região dos Bálcãs.

Contudo, como a Rússia apoiava a Sérvia, uma declaração de guerra austro-húngara foi adiada até que seu líderes recebessem garantias do líder alemão, o Kaiser Guilherme II, de que a Alemanha os apoiaria no caso de uma intervenção russa. Essa garantia veio no dia 5 de julho; os austro-húngaros, consequentemente, enviaram um ultimato para o governo sérvio, no dia 23, e avisaram que isso teria que ser aceito em dois dias pois, caso contrário, corria-se o risco de uma guerra.

Apesar de a Sérvia ter aceitado o ultimato, e a Rússia havia declarado sua intenção de apoiar a Sérvia no caso de um conflito, a Áustria-Hungria seguiu com sua intenção de guerra contra a Sérvia, em 28 de julho, um mês após os assassinatos.

Com essa atitude, a fragilizada paz entre as grandes potências da Europa ruiu de vez. A Alemanha mandou o recado à Rússia (apenas parcialmente mobilizada) de que continuar a mobilização contra a Áustria-Hungria significaria guerra com a Alemanha.

Apesar de insistir para que a Rússia suspendesse imediatamente a mobilização, a Alemanha começou a preparação para o conflito. Quando os russos se recusaram a cumprir as exigências alemãs, esta última declarou guerra ao império czarista, em 1o. de agosto.

Nesse mesmo dia, aliada da Rússia, a França começou a sua própria mobilização e convocou o Reino Unido - os três países formariam uma aliança conhecida como Tríplice Entente. Inicialmente, o governo britânico se recusou a entrar na guerra, mas o eventos que se seguiram forçaram sua participação.

No dia 2 de agosto, as primeiras unidades do exército alemão avançaram em direção a Luxemburgo, como parte de uma estratégia há muito planejada para invadir a França por meio da neutra Bélgica. Os governos de França e Alemanha declararam guerra um ao outro no dia 3 de agosto. Naquela noite, a Alemanha invadiu a Bélgica, o que levou a Grã-Bretanha a declarar guerra à Alemanha.

Boa parte da população europeia apoiou a eclosão da guerra. Contudo, imaginava-se que o conflito estaria resolvido em questão de meses. Ledo engano. Até o final de 2014, mais de um milhão de soldados morreriam nos campos de batalha da Europa em uma guerra que não terminaria tão cedo.

Ao longo de quatro anos, a linha de batalha, que se estenderia pelo norte da França e Bélgica, ficaria caracterizada pelos confrontos em trincheiras, uma terrível guerra de contato e luta, que só acabaria em 1918.




Imagem: Royal Engineers No 1 Printing Company. [Domínio público], via Wikimedia Commons

History
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;