O Parlamento caiu ao menor nível de credibilidade, o comando improvisado do Executivo é uma farsa e o Judiciário olhando a banda passar.


José Carlos Peliano*







Ao eleger os representantes políticos, nós o povo, eleitores, conscientes ou não de nossos votos, fazemos uma dupla aposta. Na verdade, supomos que funcione o sistema político instituído como também esperamos que os candidatos eleitos sejam, no mínimo, honestos, capazes e combativos.

Um cidadão comum que procura viver nesse mundo, conturbado por todos os lados, como de praxe, precisa trabalhar e ganhar sustento para si e/ou sua família. Seus deveres humanos, sociais e políticos já lhe cobram desde que começa a se entender como gente. Adulto digno e responsável.

Assim, ou quase isso, se espera de todos nós, um país que nos acolha como habitantes e cidadãos para que o construamos, cada um a sua maneira, e o levemos a ficar suficientemente saudável e acolhedor. Pelo menos no sentido de que nossos direitos básicos sejam atendidos.

A história humana de milênios nos mostra, no entanto, a dificuldade de que esse modelo ideal prevaleça. Embora tão simples, singelamente fácil de entender e cumprir, o dever de casa nunca é feito do jeito que é minimamente necessário.

Fiquemos na época contemporânea. A globalização trouxe a padronização da produção, dos serviços e dos comportamentos exigidos dos trabalhadores e consumidores diante do mercado. O que era nacional passou a ser também mundial, pelo menos a parte dos grandes capitais, a qual, ao fim e ao cabo, representa o maior quinhão de cada país.

Mas como as relações econômicas transformam as relações sociais e humanas, no frigir dos ovos podemos afirmar com alto grau de certeza que vivemos num mercado mundializado. Decisões econômicas no estrangeiro afetam os negócios nacionais. Turbulências sociais igualmente seguem o mesmo rastro.

Ao cidadão hodierno, portanto, seus deveres humanos, sociais e políticos se transfiguram no modus operandi da globalização. A padronização econômica exige comportamentos previsíveis de todos nós em quaisquer regiões e países. Caso contrário, nossas terras habitáveis perdem a vez e a voz. Ficam de lado, sem expressão, protagonismo, lugar.

Mas para sermos expressivos, protagonistas e soberanos nos cabe mostrar as credenciais. Entre elas, uma economia forte e diversificada, uma sociedade democrática e educada, uma renda nacional bem distribuída, uma representação política digna, saudável e confiável, uma justiça realmente justa e legal, uma mídia informativa, isenta e bem informada.

Não é fácil, nem imediato, mas possível e defensável. Pode até ser invisível aos olhos, como diria Saint-Exupéry, mas não às contas, isto é, quanto se distribui entre educação, saúde, saneamento, preservação ambiental, soberania tecnológica, entre outros. A cara do orçamento de um país pode indicar para onde ele segue na rota do desenvolvimento humano, social e econômico. O mais é conversa para boi dormir.

Pois o desgoverno interino atual do Brasil retirou recursos consideráveis da área social, além de criar um déficit colossal nas contas públicas por medidas inoportunas e regressivas. Os mais desprotegidos serão castigados enquanto a maior parte de nós pagará pelo buraco fiscal através de aumento de tributos, redução da renda e que tais. Os ricos, mais uma vez, continuarão privilegiados.

Ao tempo em que é vendida uma parte significativa do Pré-Sal, rompendo a soberania nacional na produção do petróleo, além de ser enfraquecida a Petrobras, destruída a participação brasileira no Mercosul e alinhado indiscriminadamente com os polos econômicos hegemônicos e opressores mundiais.

O que não é novidade, pois vários outros analistas já discorreram sobre esses desmandos e absurdos. O ponto a ser ressaltado aqui é outro. Onde é que fica o mínimo de senso crítico exigido de pessoas ditas normais e civilizadas? Como é que uma turma tapa-buraco no governo, buraco criado pelos próprios, desfaz tudo o que vinha sendo feito, humanamente respeitável, socialmente aceitável e economicamente razoável?

A nossa república das bananas está sendo desconstruída econômica, política e socialmente por irresponsáveis, oportunistas e golpistas. A podridão se alastra pelo judiciário onde parte dele se mostra conivente, parcial e injusta. Sem falar na mídia que rasteja pelos dutos da mentira, falsidade e desinformação.

Esta página negra de nossa história, como diz a canção popular, mostra que votos não valem nada ou valem somente para legitimar uma representação político-partidária que manda e desmanda apoiada em tramas, conspirações e golpes.

O Parlamento caiu ao menor nível de credibilidade, o comando improvisado do Executivo uma farsa, o Judiciário olhando a banda passar, a mídia escolhendo as melhores notícias para enganar o povo, este, coitado, mais uma vez, sem meios de refazer tudo isso, a não ser protestar nas ruas.

Sim, protestar nas ruas é hoje imperativo, mais do que nunca. Mas também nas fábricas, nas escolas, nas repartições públicas, nos foros, em todos os locais onde se possa mostrar a indignação, o inconformismo e a impaciência com o estado destruído de coisas.

Que se restaure a dignidade, o respeito ao próximo e às urnas, a cidadania plena, a confiança nas instituições! Enquanto houver a desobediência do estado e do governo em relação ao povo, que este faça o mesmo e pratique então a desobediência civil. O pior do erro é se locupletar dele e continuar desvirtuando a boa fé do outro.

Nesses dias volta ao Senado a encenação da pantomina do impedimento da Presidenta. Que os seus eleitores e mais outros indignados se juntem para lutar pela recuperação do direito e da justiça já que os encarregados não estão cumprindo seus deveres à altura. É hora de retomar o sentido da democracia tão ultrajada e desonrada nesse país.

Também as Olimpíadas é um bom lugar e veículo para se movimentar agora contra os desmandos de toda ordem que se alastram Brasil afora. Ou retomamos as rédeas da normalidade democrática ou a anormalidade democrática vinga e toma conta das rédeas da nação. Fora corruptos, golpistas, hipócritas, o país é maior que vocês!

*colaborador da Carta Maior





Créditos da foto: Anderson Riedel


Carta Maior
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;