Super Mario deixou o Traíra na chuva

'Cerra' vai ceder a medalha da Rafaela ao Japão...

Desde olimpíadas imemoriais, autoridade de primeira linha do pais anfitrião passa a responsabilidade de organizar a próxima olimpíada, na cerimônia de encerramento, a uma autoridade de primeira linha do próximo anfitrião.

O prefeito Eduardo Paes do Rio passou a bandeira olímpica à prefeita de Tokyo, e foi universalmente vaiado.

Mas, isso é de pessoal segunda linha.

O japonês de primeira linha, o Primeiro Ministro Abe compareceu de forma brilhante, como o Super Mario, no centro do Maracanã.

Foi ovacionado.

E a autoridade brasileira correspondente?

O presidente sempre interino fugiu, com a vaia retumbante que tomou na abertura.

Mandou em seu lugar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, uma piada de mau gosto, que fez uma exigência: não seria obrigado a abrir a boca.

E teve seus quinze milionésimos de segundo de fama, quando as imagens oficiais o flagraram, de passagem, em pan super rápida, ao lado do presidente do COI, o alemão Bach.

Uma vergonha irremediável.

Do tamanho da glória da Rio 2016: gigantesca!

O Governo brasileiro tem que se esconder!

Fugir!

Não pode sair do banheiro.

O Primeiro Ministro Abe se recusou a ir a Brasília, para não perder tempo com o Traíra.

Fez uma foto no Itamaraty do Rio, ao lado do 'Padim Pade Cerra'.

Padim que, certamente, se ofereceu para mandar as fragatas da Móoca para apoiar as pretensões japonesas, no Mar do Sul da China.

E ceder ao Japão a medalha da Rafael Silva, já que o judô é uma arte japonesa.

PHA
No CAf

Contexto Livre
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;