Enquanto a presidente eleita Dilma Rousseff decidiu ir ao Senado para encarar, olho no olho, cada um dos 81 senadores que, no fim deste mês, poderão salvar ou enterrar a democracia brasileira, o interino Michel Temer decidiu se esconder das vaias e não irá ao encerramento da Rio 2016, para evitar danos colaterais antes da votação final; enquanto Dilma propõe um plebiscito que devolveria ao povo brasileiro o direito de decidir sobre seu próprio futuro, Temer adota práticas da velha política, transferindo ao próprio PMDB o controle das verbas contra a seca; de um lado, coragem e altivez; de outro, esperteza



247 – Duas decisões, tomadas pela presidente eleita Dilma Rousseff e pelo interino Michel Temer, reforçam o contraste abissal entre os dois personagens.

Ontem, Dilma anunciou que irá pessoalmente ao Senado fazer sua própria defesa no processo de impeachment, que o mundo civilizado e esclarecido enxerga como um golpe parlamentar.

"Será a manifestação de uma presidente que irá ao Senado e que está sendo julgada por um processo de impeachment sem crime de responsabilidade", disse Dilma, que disse também não temer a agressividade de senadores alinhados com o golpe de 2016. "Nunca tive medo disso. Aguentei tensões bem maiores na minha vida. É um exercício de democracia", ressaltou.

Enquanto Dilma se expõe, Temer decidiu se esconder, no momento em que as atenções do mundo estão voltadas para o Brasil em razão da Rio 2016.

Neste domingo, pela primeira vez na história, uma cerimônia de encerramento olímpica não terá a presença do chefe de estado – ainda que provisório – do país anfitrião.

Temer não irá porque, depois de ter recebido uma vaia de 105 decibéis na cerimônia de abertura, tenta evitar que outra onda sonora de rejeição do povo brasileiro – 79% querem sua saída – influencie senadores, antes da votação decisiva.

É uma situação tão inusitada que o Comitê Olímpico Internacional ainda não sabe quem passará o bastão olímpico ao primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, que vem ao Brasil especialmente para isso, uma vez que Tóquio sediará os Jogos de 2020.

Além disso, enquanto Dilma propõe reforma política e novas eleições, Temer retoma práticas da velha política, transferindo o controle das verbas contra seca aos coronéis do PMDB (saiba mais aqui).

Se, de um lado, a presidente eleita, que recebeu 54 milhões de votos demonstra coragem e altivez, o interino, que busca 54 votos apenas no Senado, se esconde do público, ao mesmo tempo em que tenta agradar aliados de ocasião no Congresso.



Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;