O cheiro acre do gás lacrimogêneo pairou ontem sobre a rua da Consolação, em São Paulo, onde a Polícia Militar dispersou com bombas e cassetetes um protesto estudantil. Um outro confronto entre policiais e secundaristas, na Praça Roosevelt, já havia produzido 13 prisões, inclusive a apreensão de alguns menores, segundo publicou no Facebook o movimento Território Livre. Os estudantes não protestavam contra Temer mas contra o projeto “escola sem partido”, que tramita na Câmara, apoiado por um movimento conservador, e visa esvaziar de conteúdos críticos os currículos e práticas pedagógicas no ensino fundamental e médio. Mais informações emhttps://www.facebook.com/tlivre

A ação policial contra os estudantes foi mais um ensaio da escalada repressiva que se anuncia no horizonte da vida depois do golpe. Precisamos nos adaptar ao lema de Temer, Ordem e Progresso. É disso que falam ensaios como este, bem com a proibição de protestos nos Jogos Olímpicos do Rio. Precisamos entender que daqui para a frente tudo será diferente, não haverá complacência com protestos, movimentos sociais, com aquela farra democrática a que estávamos acostumados.

Temer tenta enquadrar o Brasil mas é enquadrado pelas elites. Por isso disse aos empresários que não será candidato à reeleição em 2018. Com os sinais de reprovação à gastança e ás medidas populistas, os que de fato mandam no país avisaram ao interino que está para ser efetivado: “não foi para isso que te colocamos aí”.

Mas para implementar a agenda neoliberal que é a razão do impeachment de Dilma, Temer vai ter que reprimir. E para isso, é bom ir ensaiando. Um ensaio no Rio, outro em São Paulo, afora as operações atabalhoadas contra supostos terroristas. Tudo isso lembra um passado que parecia sepultado. Não é paranoia. Não vê quem não quer.


Brasil 24/7
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: