O novo filme de Woody Allen encena desilusões com fotografia rara
por Rosane Pavam



Reprodução  //  Kristen Stewart e Jesse Eisenberg, a melancolia sob as lentes de Storaro


Café Society empreende de maneira ajustada o que Woody Allen rea­liza em essência. Uma visita melancólica ao passado, às amargas memórias, que ele deseja suavizar com o poder humorístico das palavras. Explica-se pela natureza de seu humor que faça um filme por ano.

Mais do mesmo é a surpresa que o cineasta americano tem a dar a cada filme. Suas narrativas repetidas parecem aliviar e recompensar o espectador, à moda das piadas que rapidamente esquecemos, e das quais riremos de novo, quando contadas por mais alguém.

E suas ficções podem até prescindir de felicidade, como as piadas. Quando são tristes, invariavelmente cópias de argumentosdostoievskianos, seus filmes também encenam a caricatura. Seja pelo exagero, seja pela simplicidade, o diretor ainda atinge a criança que há nas pessoas grandes.

Neste filme, ele volta à distopia holly­woodiana. Nos anos 1930 em que Allen nasceu, o cinema, sem distinguir o cinismo do glamour, narrava distrações amorosas em meio à tragédia econômica e à censura operada pelo Código Hays. É isto o que o diretor parece empenhado em contar. A estranha atmosfera que testemunhou. Esse seu tempo insistentemente atual. A safadeza, promovida tantas vezes com inocência por seus personagens ridículos.


Talvez isto diga algo sobre Allen, mas principalmente sobre este enredo. A protagonista vivida por Kristen Stewart, uma atriz no limite do trágico, conforma-se de estar à sombra, depois de ver o sonho de se tornar atriz derrapar. Steve Carell vive sardonicamente o capitão de um grande estúdio, vítima da paixão romântica. E Jesse Eisenberg, um neurótico intérprete dos tiques do Allen ator, basicamente erra, desiludido. Os atores secundários são dramáticos enquanto engraçados, como o ótimo Ken Stott.

Allen tem grande poder com as palavras. “A vida é uma comédia escrita por um cômico sádico.” Mas suas encenações às vezes traem fragilidades. Ora porque não pareça interessado em encontrar um bom lugar para a câmera, ora porque realize a edição apressadamente.

Café Society - Woody Allen

Este filme talvez se destaque porque Vittorio Storaro tomou conta dele. O diretor de fotografia de Apocalypse Now enriquece cada plano. Carell às vezes está metido nas sombras de James Cagney, observado pela câmera baixa. O réveillon, comumente encenado por Allen, agora é visto de cima, da perspectiva de quem joga serpentinas sobre o salão.

Os amantes conversam em um bar filmado com grande-angular, no qual, pelo canto, observa-se um casal calado. O rosto de Kristen Stewart se engrandece, como nos filmes de oito décadas atrás, e não vemos mais o fundo da tela, uma vez que seu personagem está imerso em sonhos. Um filme raro, em que Allen se repetiu para tornar-se melhor.



CartaCapital
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;