Previdência para esse governo golpista, é gasto, e os benefícios devem ser cortados ao máximo. Trabalho, até a morte, inclusive desrespeitando os direitos adquiridos

por Remígio Todeschini* 


JOSÉ CRUZ/ARQUIVO ABR // 'Para o governo usurpador, a crise deve ser paga pelos trabalhadores sob a proteção da grande imprensa'


O governo interino de Michel Temer, predador dos direitos sociais e dos trabalhadores, logo após sua posse, para satisfazer desejos do mercado (capital) detonou e implodiu diversos ministérios da área social. Os diversos ministérios sociais de Lula e Dilma ajudaram frente à crise econômica internacional, ajudaram os mais pobres e trabalhadores em diversas áreas.

A MP 726, de maio de 2016, repartiu o Ministério da Previdência Social em dois. Foi criada a Secretaria Nacional de Previdência sob a tutela do Ministério da Fazenda, cuja missão é cuidar das finanças e o famoso ajuste fiscal com cortes, cujas consequências recairão sobre os segurados da Previdência. A mesma MP remeteu o INSS, órgão de benefícios da Previdência Social, ao Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, no intuito de colocar o INSS para cuidar do Bolsa Família, que atualmente é administrado por mais de 5.500 prefeituras.

Como o INSS, com 1.600 agências pelo país, vai dar conta de cuidar ao mesmo tempo das políticas sociais e dos segurados do INSS, com mais de 100 milhões de atendimentos por ano? Será um verdadeiro caos e política de terra arrasada quanto ao acesso dos direitos sociais e previdenciários.

O intuito do governo Temer golpista, além disso, é ampliar a futura aposentadoria aos 70 anos, restringindo ao máximo dos direitos previdenciários (em cinco estados do Brasil a expectativa de vida é menor de 70 anos). Previdência para esse governo golpista, é gasto, e os benefícios devem ser cortados ao máximo. Trabalho, até a morte, inclusive desrespeitando os direitos adquiridos.

Se não bastasse a extinção e o desmonte do Ministério da Previdência, a MP 739 de 7 de julho, vem infernizar os segurados afastados por auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. O anúncio do governo prevê extinguir cerca de 30% desses benefícios. Hoje temos 2.100.000 auxílios doenças: serão cortados 630 mil benefícios, para ter uma economia de R$ 6,3 bilhões (DGABC, 10/7/16). Querem cortar dos trabalhadores e desconhecer a grande dívida previdenciária das empresas devedoras e do capital, que totaliza cerca de R$ 374 bilhões (2015) (Valor Econômico, 26 a 28/3/16).

A grande imprensa golpista viola psicologicamente a opinião pública escondendo essa monstruosa dívida do capital. Interessante que o governo interino, já cutucado pelas centrais sindicais quanto a essa dívida se fingiu de morto. Para o governo usurpador, a crise deve ser paga pelos trabalhadores sob a proteção da grande imprensa.

O INSS estará chamando nos próximos meses os segurados para nova perícias, dando um bônus especial aos médicos peritos para fazê-las, cerca de R$ 60 por perícia. Com isso, criará um estímulo maior para os médicos peritos participarem desse desmonte dos direitos previdenciários dos afastados. A atual direção da Associação Nacional dos Peritos defende essa empreitada.

A MP derruba na prática as perícias concedidas judicialmente, e na ausência de fixação de prazo para afastamento, novas perícias valerão somente por 120 dias (art. 43 da MP). Essa MP, com o novo sistema de perícia médica, desmontará o grande número de benefícios existentes: hoje existem 840 mil benefícios de auxílio-doença há mais de dois anos e 297 mil benefícios judiciais (Valor Econômico, 8/7/16).

Caberá a toda a população, trabalhadores, seus sindicatos, centrais sindicais e movimentos sociais mobilizarem-se para:

- Exigir a volta do Ministério da Previdência. A experiência internacional mostra que em 80 países existem ministérios próprios da Previdência e em outros 40 países a Previdência atua conjuntamente com o Trabalho e nunca com a Fazenda.

- Garantir a preservação dos direitos previdenciários dos trabalhadores afastados, com uma perícia isenta, com a participação de médicos assistentes ou sindicais.

- Pela Revogação das Medidas Provisórias 726 e 739.

Fora Temer, governo usurpador dos direitos previdenciários dos segurados!

Remígio Todeschini, ex-presidente do Sindicato dos Químicos do ABC e ex-secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho, é diretor executivo de Previdência de Santo André



Rede Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;