A adoção da prisão como estratégia prioritária de segurança não se reverte em resultado concreto desejável. A população prisional brasileira cresceu acima de 150% nos últimos 15 anos, são mais de 600 mil nos sistemas prisionais estaduais, mas as taxas de criminalidade seguem crescendo



Com frequência é noticiado que a administração penitenciária e a gestão de serviços penais é atividade de segurança pública. Com a mesma frequência, agentes penitenciários são confundidos com policiais, com atividades estruturadas em torno da figura de profissionais fardados, afoitos por uma hierarquia, disciplina e regime típico de forças militares.

Não raro, em alguns Estados da Federação (como é o caso do próprio Distrito Federal), a atividade de custódia de pessoas presas fica a cargo de carreiras policiais, civis ou militares. Ainda existe uma pressão frequente de grupos de interesse e corporações por inclusão dos agentes penitenciários como parte da segurança pública, inclusive na Proposta de Emenda à Constituição.

Essa concepção constrói uma imagem distorcida sobre a realidade: de que a segurança pública é algo a ser alcançado por meio da prisão. Da pena privativa de liberdade. Da separação dos “maus” do convívio social. E, infelizmente, a estratégia da política criminal brasileira parece apontar para uma direção prioritária: o da pena de privação de liberdade como solução de seus graves problemas de segurança pública.

Há instrumentos muito mais sofisticados de garantia de segurança pública, finalidade desejável e buscada por qualquer sociedade. A paz social é o primeiro passo para alcance desse objetivo: ações de justiça restaurativa (com política de indenizações), mediação de conflitos, composição de interesses pela tutela judicial e extrajudicial, priorização de políticas sociais, geração de emprego e renda e diminuição de desigualdades, programas de acessibilidade urbana, revitalização, reurbanização e iluminação pública, garantias de interiorização e maior acesso à Justiça podem ser respostas tanto mais acertadas aos desafios da segurança pública do que a priorização da resposta repressiva do Estado.

A resposta repressiva (com a ultima ratio da prisão como pena) é, quase sempre, a mais morosa, a mais onerosa, a menos eficaz: cada prisão em flagrante convertida em inquérito, denúncia, ação criminal, processo de conhecimento e execução criminal presume a atuação de uma série de agentes estatais, policiais, promotores, juízes, defensores e agentes de custódia. E, claro, evidencia um problema crônico, que se arrasta há várias décadas no país: uma Justiça cara, morosa e incapaz de atender ao interesse social, de solução de conflitos.

Não se trata aqui de condenar a prisão como método do exercício punitivo do Estado. Mas simplesmente de entender que a adoção da prisão como estratégia prioritária de segurança não se reverte em resultado concreto desejável: a população prisional brasileira cresceu mais de 150% nos últimos quinze anos, enquanto a população cada dia mais se vê insegura, com crescimento frequente das taxas de criminalidade.

Fato é que um sistema prisional como o brasileiro não permite uma resposta adequada ao problema do crime. Quem ingressa no sistema, certamente retornará à sociedade dilacerado (física, psicológica e socialmente) pelas condições precárias da maior parte dos estabelecimentos prisionais do país.

Isso quando não construir redes de solidariedade com organizações criminosas profissionais, e de fato nelas ingressar. Uma vez mais, a resposta aos efeitos de um problema estrutural – a atuação do crime organizado em prisões, superlotação e inadequação do sistema prisional nos Estados – foi oferecida de forma imediata e paliativa com a criação do Sistema Penitenciário Federal, dez anos atrás, pelo então Ministro da Justiça do governo Lula, Márcio Thomaz Bastos, a fim de neutralizar lideranças do crime organizado que atuavam no interior de prisões, como Fernandinho Beira-Mar.

A ausência de estratégias estruturais de mudança em nosso sistema de Justiça Criminal permite a existência de um sistema de Justiça consideravelmente injusto: uma massa carcerária superior a 600 mil pessoas, nos sistemas prisionais estaduais, das quais mais de 240 mil sequer julgadas foram, respondendo por crimes de baixo potencial ofensivo, como furto e tráfico de pequena quantidade de drogas (esse segundo crime, responsável por uma explosão demográfica da população prisional brasileira na década passada).

A falta de profissionalização dos serviços penais, adequados de forma suficiente para um mínimo de assistência à população carcerária – nos termos das recentemente aprovadas Regras de Mandela, compromisso internacional de padrões mínimos para tratamento de pessoas privadas de liberdade, do qual o Brasil é signatário – expõe as condições de barril de pólvora de nossos estabelecimentos prisionais, e o acionamento frequente do Estado brasileiro como violador de direitos humanos dessa população.

Em vez de assegurar a profissionalização dos agentes e da atividade de custódia, novamente a resposta – tentada – de agentes políticos é a mais inadequada: terceirizar os serviços e atividades, privatizar estabelecimentos sem, no entanto, alcançar sucesso com suas intenções.

Serviços penais, por sua importância (e aqui por serviços penais entenda-se todo o complexo acompanhamento da execução penal, que passa pela assistência material, jurídica, psicológica, social, à saúde e educação, políticas de trabalho, acompanhamento da rotina) são essenciais à própria eficácia da execução penal: a compreensão da prisão – uma instituição total, de controle do indivíduo – como responsabilização efetiva, como forma de sentir-se responsável pelo delito cometido.

Toda responsabilidade deve ser proporcional à gravidade do ato ilícito, caso contrário converte-se em injustiça, e subverte qualquer possibilidade de cumprimento das finalidades da pena e de paz social. Ante a injustiça, a resposta esperada não é outra senão injusta. Não há paz sem justiça.

Não se trata de afirmar que serviços penais não se relacionem com segurança pública: a execução penal eficaz e adequada, justa e em condições que permitam a reintegração do indivíduo à vida em comunidade permite evitar a reincidência criminal. No entanto, se os serviços penais não forem pensados com o objetivo de sua profissionalização, aprimoramento e expansão, mas unicamente sob a perspectiva de que a custódia se resume à privação de liberdade, ao “trancafiar”, e que essa é a medida para a segurança pública e a paz social, então seguiremos caminhando numa esteira: a do completo fracasso.

Crédito da foto da página inicial: EBC

Brasil Debate
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;