Essa legislatura da Câmara dos Deputados é certamente uma das piores da história desta atual etapa democrática. A direita fisiológica e corrupta nunca teve tantos parlamentares como agora. E o campo progressista nunca foi tão mal representado.

É preciso ter claro que isso não aconteceu por destino. Nos governos Lula e Dilma, em nome da governabilidade, o campo progressista se apequenou. Foi negociando pautas, recuando em posições históricas e permitindo que pessoas absolutamente oportunistas e sem caráter fossem dominando a cena não só à direita como também à esquerda.



Em 2002, por exemplo, PT, PCdoB, PDT e PSB eram muito melhores do que hoje e tinham quadros mais respeitados dentro e fora de suas agremiações.

Parte dessas lideranças estava no Congresso e tinha interlocução com a representação de direita. Mas, ao mesmo tempo, isso não os fazia se tornar de direita. Não foi o que aconteceu no último período.

Hoje o PSB é um partido de centro-direita. Na Câmara dos Deputados sua representação é horrível. Muitos são da bancada BBB (Bíblia, Boi e Bala) e pouquíssimos reivindicam ideias de esquerda.

O PDT é um partido em zigue-zague. Melhorou com a filiação de Ciro Gomes porque passa a ter um candidato com chances na disputa presidencial e Ciro é notadamente um político de posições majoritariamente progressistas.

Já o PT da Câmara é um quase desastre perto do que foi. Sua bancada é formada praticamente por vereadores nacionais. Gente que se elegeu com base em redutos e por conta de máquinas locais. E por isso os deputados mais ideológicos que restaram têm muita dificuldade em liderar e representar o partido na Casa.

O PCdoB ainda mantém uma certa unidade, mas também teve diminuída sua qualidade na representação. Tanto que na última janela partidária perdeu dois deputados jovens para a Rede. E um deles votou a favor do impeachment da presidenta Dilma.

Como em política não há espaço vazio, com esse esfarelamento dos partidos progressistas, a direita foi avançando até se consolidar numa das lideranças mais mafiosas da história do Congresso, Eduardo Cunha.

O período Cunha na Câmara ainda será motivo de muitos estudos. Porque ele não impôs uma ideologia ou a maioria de um campo na direção da Casa. Na base da chantagem e do suborno, como começa a ficar claro nas últimas delações, foi exercendo um papel de ditador num espaço de representações.

Cunha era isso e não podia ser diferente, mas esse foi o seu grande veneno diário, uma água profana, que lhe destruiu pelas tripas.

Quando Cunha foi afastado pela PGR ele já começava a se tornar um pato manco. Alguém muito menor do que tinha sido no primeiro semestre de 2015. E com um número de inimigos muito grande para liderar a Casa.

A vitória de Rodrigo Maia por expressiva diferença sobre Rogério Rosso numa votação secreta é expressão disso. O Cunhismo, que teve o apoio do presidente golpista Michel Temer, foi derrotado porque já não interessava mesmo nem a parte do tal Centrão, vítima de chantagem.

E o campo progressista acabou se alinhando a Maia no segundo turno porque está na bacia das almas. Busca ser uma minoria que tenha qualquer interlocução com o novo presidente da Casa.

Maia representa uma direita mais ideológica. E que se por um lado é melhor do que a simplesmente corrupta, por outro, será mais profissional para defender as reformas liberais que assustam trabalhadores e o movimento social.

Não se pode imaginar que Maia vai tirar da pauta, por exemplo, as reformas da Previdência e a Trabalhista. Mas talvez ele não encaminhe CPIs persecutórias como a da UNE e a da CUT. E por este motivo não se pode igualá-lo a Cunha e mesmo a Rosso.

O momento não é duro. É duríssimo. Quando há quem se reivindique progressista comemorando a vitória do Demo sobre o Coisa Ruim é porque o fundo do poço já ficou pra trás faz tempo. Esse é o momento atual.

*****

Com a vitória de Maia quem mais sai fortalecido é Aécio Neves, que trabalhou o tempo todo para que ele fosse o vitorioso. Aécio já tinha indicado Maia para ser o líder do governo Temer, mas na época perdeu a disputa para o Centrão.

*****

O PT fez um papel ridículo ao apoiar Marcelo Castro no primeiro turno da Câmara e foi triturado nas redes sociais por conta disso na noite de ontem. Menos por Castro, que votou contra o impeachment, e mais pelo fato de ele ser do PMDB. Mas uma verdade que ficou escondida é que o PCdoB não fez nada mais digno ao lançar Orlando Silva à presidência da Casa. Orlando só foi candidato para favorecer Maia. Já que havia a preocupação de que, se os deputados do PCdoB votassem em Castro já na primeira votação, ele fosse para o 2° turno e Maia não. Tanto que nos seus agradecimentos, Maia separou honrarias especiais a Orlando e Aldo, a quem só faltou chamar de grande líder.



(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)



Blog do Rovai
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;