Os donos do poder pregam Estado mínimo, mas se recusam a cortar o cordão umbilical com o Estado 
 
por Mauricio Moraes
 
 
Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados // Manifestação com o pato da Fiesp em Brasília
 

E eis que o empresário Laodse de Abreu Duarte, diretor da Fiesp, deve para a União R$ 6,9 bilhões. A dívida é maior que a de 18 estados brasileiros, como Bahia e Pernambuco, segundo revelou a imprensa.

O calote de Abreu Duarte diz muito sobre as relações econômicas do Brasil, um país onde os empresários adoram pregar o Estado mínimo, conquanto que seja mínimo para os outros, porque para os donos do poder a regra é sempre mamar nas tetas bem graúdas desse mesmo Estado.

O discurso padrão da Fiesp e de partidos como o PSDB e o DEM é o de que o Brasil tem um governo imenso, que precisa ser enxugado, que somos um país onde se paga muitos impostos e nada se recebe de volta de um Estado ineficiente e grande.

Essas mesmas pessoas usam do argumento liberal para falar contra programas sociais como o Bolsa Família, dizendo que o governo manipula os pobres ao lhes dar o peixe e não a vara para pescar – a velha história da meritocracia. Vide o pato amarelo da Fiesp, que entrou em cena contra a volta da CPMF e ganhou protagonismo na campanha pelo impeachment.

O calote de Abreu Duarte mostra que não existe liberalismo no Brasil. O que temos é uma classe empresarial que não consegue caminhar se não tiver o Estado a lhe dar mãos, que acha que o Tesouro Nacional é a extensão de sua própria conta bancária. Ainda vivemos um pré-capitalismo, um modelo arcaico de relações econômicas baseadas no velho patrimonialismo colonial.

Vejam só esta notícia, que passou despercebida, ganhando apenas uma notinha no Painel da Folha de S. Paulo, em maio: “Concessionárias de alguns dos maiores aeroportos do país pediram à Anac, que regula o setor, a suspensão de pagamentos e a renegociação de contratos. As empresas que tocam Guarulhos, Viracopos, Galeão, Confins, Brasília e Natal dizem não ter como pagar agora os cerca de R$ 2,5 bilhões estimados para este ano. Culpam a recessão e a falta de crédito.”

Se as concessionárias de aeroportos não têm como entregar a tarefa que receberam nas concessões, por que o governo não as deixa quebrar? Esta e a lógica do liberalismo, a mão invisível do mercado, nos termos de Adam Smith.
Se o Brasil fosse liberal como prega o discurso hipócrita dos capitalistas da Fiesp, o fato de uma empresa não cumprir o contrato significa que ela não é competitiva o suficiente para atuar no mercado. O script liberal diz que ela deve quebrar e outro ator entrará em cena, comprando a massa falida e explorando o serviço.

Mas no capitalismo tupiniquim, mesmo quando o governo faz as privatizações necessárias (porque há serviços que são melhores geridos pela iniciativa privada enquanto outros só podem ser geridos pelo Estado), o setor privado resiste em cortar o cordão umbilical com o Estado. Não bastassem serem financiadas pelo BNDES em condições generosas, na primeira dificuldade as empresas correm pedir ajuda e não têm qualquer cerimônia em dizer: “devo, não nego, pago quando puder”. E nem sempre pagam.
Uma das maiores caricaturas do liberalismo tupiniquim é o candidato tucano à prefeitura de São Paulo, o empresário João Dória (PSDB). Discípulo do Estado mínimo, só que da boca para fora, Dória quer privatizar o centro de eventos do Anhembi e o estádio do Pacaembu porque seria preciso enxugar o governo e abrir espaço para a iniciativa privada, segundo ele.

Mas emails vazados pela imprensa mostraram que o mesmo Dória recebeu quase R$ 1 milhão da Apex (agência federal de fomento a exportações), que era chefiada por um amigo seu, para organizar encontros de empresários no exterior. Dória chegou inclusive a pedir um favorzinho: um financiamento para exposições no exterior de sua mulher, Bia Dória, que se apresenta como artista plástica. Ou seja, liberal tupiniquim reclama de Bolsa Família mas adora um Bolsa Empresário.

E não bastasse serem hipócritas no discurso econômico, os liberais tupiniquins ainda dão o golpe no discurso do liberalismo dos costumes. Para liberais de verdade, o indivíduo é livre pra tocar sua vida e o Estado não deve se intrometer nas escolhas particulares. Já para os liberais tupiniquins, casamento gay não pode, aborto não pode, nova política de drogas não pode. A farsa não tem limites.

Carta Capital
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;