O presidente interino apresenta um Brasil com 'democracia consolidada e uma referência em matéria de redução das desigualdades'


Leneide Duarte-Plon, de Paris*





« O Brasil está perfeitamente pronto ».

Quem poderia afirmar isso sobre os jogos olímpicos lendo a chamada « grande » imprensa ou os blogs alternativos de jornalismo independente ?

Ele, o presidente interino Michel Temer, que publicou no « Le Monde » um artigo ufanista com o título acima. Ele desmente os riscos sanitários e securitários na cidade que vai receber milhares de atletas e de turistas durante o mês de agosto.

Mas apesar de longe da realidade, ainda se compreende que ele queira tranquilizar o público externo.

O que choca é quando ele se apropria dos feitos dos governos petistas depois de louvar a « democracia consolidada ». Segundo ele, os jogos revelarão um país que « é uma referência em matéria de redução das desigualdades ». Retórica para leitor francês que pode ser levado a pensar que foi graças aos esforços dele e de seu partido que o Brasil reduziu as desigualdades.

Seu texto transbordante de entusiasmo ressalta « o sucesso da Copa do Mundo, dos jogos mundiais militares, das jornadas mundiais da juventude e da Copa das confederações ». E na empolgação continua :

« Os Jogos revelarão ao mundo uma nação cuja democracia está consolidada e que é uma das principais economias mundiais. Um país com forte potencial de negócios e uma referência em matéria de redução das desigualdades. »

« Democracia consolidada » na visão do presidente interino foi o resultado não dos votos do povo mas da união sagrada do Legislativo mais corrupto do planeta com o Judiciário que se aliou à casa grande para pôr no Executivo um legítimo representante dos interesses da oligarquia que governa de fato desde sempre.

Jogos deixarão herança

Ele garante ao leitor do « Le Monde » que os recursos investidos nos jogos olímpicos « deixarão uma herança para o conjunto do país ». Esqueceu de completar que os recursos investidos nos jogos deixarão como herança menos hospitais, menos médicos, menos escolas e menos salários para os professores.

Nem uma palavra sobre a falência do Estado do Rio. No mundo ideal do vice-presidente eleito, no Rio de Janeiro os “jogos tiveram papel importante na implantação de políticas públicas. O fato que organiza esse evento permitiu à cidade acelerar e ampliar ou viabilizar a execução de certos projetos de infraestruturas e mobilidade urbana. Essas ações incidem diretamente de forma positiva sobre a qualidade de vida dos habitantes ».

Como é que os cariocas, cegos ou de má-fé, não veem isso ?

Depois de discorrer sobre as notícias negativas espalhadas pelo mundo quanto a epidemias e doenças tropicais que ameaçariam os turistas e atletas, o presidente interino é categórico : « Podemos garantir como já fez a Organização mundial de Saúde que o risco de aparição de casos de Zika durante os jogos olímpicos é praticamente inexistente ».

Felizmente, os responsáveis pelo « Le Monde » ainda fazem jornalismo. Na mesma página, o historiador Laurent Vidal escreve um artigo exemplar que termina dizendo :

« O que se passa no Brasil é o ressurgimento de uma forma clássica de golpe de Estado. E pode-se dizer, com Corneille, que nesse sistema político sem fôlego « nunca um golpe de Estado foi tão bem executado » (A morte de Pompeia).

* Leneide Duarte-Plon é autora de « A tortura como arma de guerra-Da Argélia ao Brasil : Como os militares franceses exportaram os esquadrões da morte e o terrorismo de Estado » (Editora Civilização Brasileira)


Créditos da foto: Beto Barata/PR


Carta Maior
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;