O Globo


Manchete : Cunha renuncia e manobra para tentar salvar mandato


Acusado chora, mas não convence críticos
Acordo pode devolver processo ao Conselho
Eleição na Câmara é marcada para dia 12

Réu na Lava-Jato, afastado do cargo pelo Supremo e ameaçado de prisão e cassação, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou ontem à presidência da Câmara para tentar salvar seu mandato e manter o foro especial. Um ano e cinco meses depois de ser eleito para comandar a Câmara, Cunha saiu sob pressão até de aliados e após costurar um acordo que pode mudar a decisão do Conselho de Ética de abrir processo de cassação contra ele. Ao renunciar, o deputado acusado de receber propinas se disse vítima de perseguição e afirmou que a Câmara está “acéfala, numa interinidade bizarra”, referindo-se ao presidente interino, Waldir Maranhão, indicado por ele para a Mesa Diretora. Contrariando seu estilo frio, Cunha chorou ao falar da mulher e da filha, investigadas na Lava- Jato, mas não convenceu seus adversários. A Câmara marcou para a próxima terça-feira a eleição do novo presidente, que terá mandato-tampão até fevereiro do ano que vem. (Págs. 3 a 7)

Emoção ou encenação?

Conhecido pela frieza e pela fama de calculista, Eduardo Cunha dividiu a opinião de psicanalistas com seu choro. Se para uns foi demonstração de fragilidade, para outros não passou de jogo de cena. (Pág. 5)


Governo prevê rombo de R$ 139 bi em 2017


Meirelles anuncia previsão de déficit e não descarta elevar impostos. Também foram divulgadas novas regras para auxílio-doença e aposentadoria por invalidez, que poderão gerar economia de R$ 7,1 bilhões (Pág. 21 e Míriam Leitão)


Conselheiro do Carf é preso em flagrante pela PF


Em meio a tanto escândalo, a PF fez operação com escuta ambiente e prendeu em flagrante João Carlos de Figueiredo Neto, conselheiro do órgão que julga recursos contra multas do Fisco. Ele cobrava propina de R$ 1,5 milhão do Itaú, que o denunciou. (Pág. 22)


Banco ilegal suspeito de lavar propina


A Lava-Jato desarticulou a rede de atuação de um banco clandestino, do Panamá, suspeito de movimentar propina da Petrobras. (Pág. 10)


Colunas


MERVAL PEREIRA - Só a cassação daria ao governo nova perspectiva. (Pág. 9)

JORGE BASTOS MORENO - Difícil remover os escombros do monstro. (Pág. 8)

ANCELMO GOIS - Para expiar os pecados, não bastam lágrimas. (Pág. 9)

MÍRIAM LEITÃO - Cunha não resume o drama político do país. (Pág. 8)

LAURO JARDIM - Não há saída para Cunha. É questão de tempo. (Pág. 8)

JOSÉ CASADO - Temer é o maior beneficiário da decisão de Cunha. (Pág. 8)

ILIMAR FRANCO - Queda não atenua a rejeição à política. (Pág. 9)

FREI BETTO - Renúncia de político costuma ser artimanha. (Pág. 9)

SÉRGIO FADUL - Temer terá de provar seu poder de articulação. (Pág. 9)


------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo





Manchete : Derrotado pela Lava Jato, Cunha renuncia à presidência da Câmara


Com a decisão, deputado tenta adiar cassação, salvar mandato e evitar que seu processo seja julgado pelo juiz Sérgio Moro

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou ontem à presidência da Câmara dos Deputados, numa tentativa de salvar seu mandato e evitar que processos da Lava Jato dos quais é alvo no Supremo Tribunal Federal sejam remetidos ao juiz Sérgio Moro. Logo depois de anunciar a decisão, ele requereu à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que seu processo de cassação seja revisto. O acordo é para que o presidente do colegiado, Osmar Serraglio (PMDB-PR), devolva o caso ao Conselho de Ética. Ele também tenta garantir um aliado à frente da Casa. Ontem, o presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA) convocou eleição para quinta-feira, data que foi antecipada para terça pelos líderes. Catorze nomes estão na disputa pelo cargo. São considerados favoritos Rodrigo Maia (DEM-RJ), Rogério Rosso (PSD-DF) e Fernando Giacobo (PR-PR). No STF, Cunha terá agora seus processos julgados pela 2.ª Turma e não mais pelo plenário. Fazem parte do colegiado os ministros Teori Zavascki, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Celso de Mello e Gilmar Mendes. (Política A4 a A9)

Análises

Eliane Cantanhêde - Dilma e Cunha

Há grande simbiose entre Dilma Rousseff e Eduardo Cunha, mas por motivos diferentes. Eles caminham para o ocaso político e podem chegar ao cadafalso em agosto. (A6)

Dora Kramer - O fim da lenda

Poderosos podem muito, mas não podem tudo. O limite está na perda de apoios, à medida que aliados percebem que certas alianças rendem mais prejuízo que benefício. (A9)


Planalto espera destravar pauta de votações


Para o Planalto, a renúncia de Eduardo Cunha e a convocação de eleição para presidente da Câmara são “o melhor dos mundos” para tentar driblar a crise com votação de medidas importantes pelo Congresso. A ideia é não interferir diretamente na escolha do sucessor, sobretudo porque todos os postulantes, até agora, são da base do governo. (A7)


Governo prevê rombo de R$ 139 bilhões em 2017


Pressionado pelas críticas de que o governo está gastando demais, o presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), aprovou uma meta fiscal de déficit de R$ 139 bilhões em 2017. O valor representa vitória da equipe econômica, que insistiu na redução do rombo de um ano para o outro. A medida sinaliza aumento do esforço fiscal para o ano que vem, com redução do déficit em R$ 31,5 bilhões. O déficit chegou a ser estimado em R$ 194 bilhões. O governo aposta em concessões, privatizações, controle de despesas e aumentos “pontuais” de impostos. (Economia B1 a B4)


Celso Ming


Sem aumento de impostos? - O governo Temer conta concentrar o ajuste em 2017 para apresentar os melhores resultados em 2018, ano de eleição presidencial (Economia B2)


Notas&Informações


Com alívio, mas sem perdão - Ao apresentar a renúncia à presidência da Câmara, o deputado Eduardo Cunha afirmou ser vítima de perseguições e que seus algozes não respeitaram sua família. Tudo indica o oposto. A renúncia representou um passo rumo à moralidade pública. Agora, é preciso dar continuidade ao processo de cassação do mandato, bem como às investigações e ações penais. Não pode ficar impune tamanho insulto à lei, à democracia e aos bons costumes. (A3)

O País em modo de espera - A incerteza política é hoje o maior entrave à recuperação da economia brasileira (A3)

As dificuldades da USP - Em um dos momentos mais difíceis da USP, alunos e funcionários fazem exigências irrealistas (A3)


------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo





Manchete : Cunha renuncia à presidência da Câmara; 5 são cotados à sucessão


Visto como manobra para tentar evitar cassação de mandato, gesto contrariou seguidas negativas do deputado

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou ontem à presidência da Câmara dos Deputados, cargo do qual estava afastado por ordem do Supremo. Em anúncio no qual chorou, disse pagar o preço por ter deflagrado o impeachment de Dilma Rousseff. A eleição do sucessor, para mandato de sete meses, deverá ocorrer na semana que vem e tem como favoritos deputados do chamado “centrão”. Um dos mais fortes e controvertidos políticos a ocupar a cadeira, Cunha negava que renunciaria. O deputado é alvo de processo de cassação por ter omitido dos pares a existência de contas na Suíça. Também é réu em dois processos e alvo em outras investigações sob a suspeita de ser um dos principais beneficiários do esquema do petrolão. A renúncia é vista como uma cartada do peemedebista para tentar evitar a perda do mandato. Um recurso do deputado na Comissão de Constituição e Justiça, que seria votado na próxima semana, poderá agora ficar para agosto. O gesto ocorre dias depois de uma conversa privada entre Cunha e o presidente interino, Michel Temer, em que o deputado disse que aceitaria renunciar desde que tivesse apoio do Planalto para tentar reverter a tendência de cassação. (Poder a4)

Bernardo Mello Franco - Ganância marcou sua ascensão e queda (Opinião a2)

Reinaldo Azevedo - Tchau, querido! Brasil fica melhor sem ele (Poder a8)


Governo prevê deficit de R$ 139 bilhões em 2017


A equipe econômica de Michel Temer (PMDB) anunciou a meta fiscal para 2017, com deficit de R$ 139 bilhões nas contas federais, abaixo dos R$ 170,5 bilhões deste ano. A ala política do governo queria R$ 160 bilhões. Para cumprir o objetivo, o governo do presidente interino indicou que uma alta nos tributos pode ser anunciada em agosto. Há previsão de obter R$ 55 bilhões com aumento de receitas e corte de gastos. (Mercado a14)


Projeto que muda regras do pré-sal avança na Câmara


O projeto de lei que acaba com a participação obrigatória da Petrobras no pré-sal foi aprovado nesta quinta-feira (7) em comissão especial da Câmara e segue para votação em plenário. De autoria do atual ministro José Serra, a proposta já passou pelo Senado. (Mercado a18)


Ricardo Balthazar


Já caiu a ficha de que é difícil não subir impostos

Temer e aliados já perceberam que não têm força para convencer o Congresso a aumentar impostos agora. A aposta é que haverá condições em agosto, depois que Temer puder pregar seu retrato na parede. (Opinião a2)


Editoriais


Leia “Até que enfim”, sobre renúncia de Cunha à presidência da Câmara, e “Regular as agências”, a respeito de degradação dessas instituições. (Opinião a2)




Mídia
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;