Análise Diária de Conjuntura - 27/07/2016

Após a vergonhosa fraude do Folha no tratamento que deu à pesquisa Datafolha, fraude admitida até mesmo pela Ombudsman do jornal, temos que focar em outros institutos de pesquisa.

Saiu há pouco a íntegra da pesquisa Ipsos, com a opinião dos brasileiros sobre o governo e o impeachment.

Eu separei algumas tabelas. Todos os números evidenciam a monumental fraude da Folha.

Os brasileiros NÃO QUEREM TEMER, isso é o que todas as pesquisas dizem, inclusive o Datafolha.

Voltemos ao Ipsos.

Diante do que vêem como um golpe consumado, 38% querem ter o direito de escolher um novo governante.

Entretanto, mais importante do que isso, Dilma tem mais pontos do que Temer.





O percentual que defende Temer até 2018 é de 16%, bem menos que os 20% que defendem que Dilma volte e cumpra seu mandato!

A maioria (38%) quer novas eleições este ano.

Ou seja, Fora Temer é maioria esmagadora!

Tem mais.

Os números mostram que uma ampla maioria da população mais pobre quer que Dilma governe até o fim de seu mandato, em 2018.

Olhe o gráfico abaixo.

Entre a classe D e E, 32% querem que Dilma volte à presidência e cumpra seu mandato até 2018; ainda nessa faixa de renda, apenas 13% querem Temer até 2018. Dilma também ganha na classe C, de 18 X 15 contra Temer.

Os pobres não são bobos. Estão entendendo que se trata de um golpe dos ricos. E isso é muito perigoso, evidentemente!

A situação não é boa para Temer em faixa de renda nenhuma. Em todas elas, o percentual que deseja que ele governe até 2018 é absolutamente minoritário.

Nas faixas A e B, 15% querem que Dilma governe até 2018, contra 19% que preferem Temer. Ou seja, o interino não tem grande vantagem sequer entre os mais ricos. Ainda na classe AB, 46% querem novas eleições.

Temer só é forte mesmo na Globo.






Um dos gráficos do Ipsos mostra ainda que o erro político fatal de Dilma Rousseff foi ter abandonado a política após o fim da campanha eleitoral. A aprovação da presidenta havia atingido altos níveis em outubro de 2014.

Aprovação que começa a despencar rapidamente nos meses seguintes e ao longo do ano de 2015, no mesmo período em que a mídia parece ter fechado um pacto em prol do golpe.




A pesquisa Ipsos mostra que a aprovação de Michel Temer está em 7%, que é a pior aprovação da história do mundo para um governante em início de mandato. Dilma iniciou seu primeiro mandato com mais de 60% de aprovação, segundo o Ipsos, e o segundo, com quase 50%.

O Ipsos revela ainda que aprovação ao impeachment caiu para 48%, o menor índice desde maio de 2015. O percentual de brasileiros contrários ao impeachment, por outro lado, atingiu o pico de 34%, um recorde desde que o instituto começou a apurar isso, em março de 2015. Um recorde de 16 meses.




***

Neste ponto, é bom lembrar que o próprio Datafolha (embora a Folha, e o próprio site do instituto, tenham tentado esconder isso) identificou que 37% dos brasileiros acham que o impeachment não está seguindo as regras (ou seja, que é golpe).

Repare, no gráfico abaixo, que o impeachment tem ampla maioria apenas entre os mais ricos.

Entre os que ganham mais de 10 salários por mês, 68% consideram que o impeachment segue regras. Esse percentual cai para 43% entre os mais pobres. Mesmo entre esses mais ricos, 32% acham que o impeachment desrespeita regras.

Na discriminação por escolaridade, 37% dos brasileiros com ensino superior acham que o impeachment está desrespeitando regras. Entre os mais pobres, 40% consideram que o impeachment é golpe.




***

A boca do jacaré está se fechando.

A tendência é inexorável: cada vez MENOS brasileiros apoiam o golpe, e MAIS brasileiros são contra o golpe.

Abaixo, a íntegra da pesquisa Ipsos.





O Cafezinho
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;