Lesbia Yaneth, companheira de Berta Cáceres na coordenação das organizações indígenas hondurenhas e ativista contra a construção de uma barragem no seu município, apareceu morta esta quarta-feira.

A ativista foi encontrada morta num aterro municipal. Foto publicada no Twitter e reproduzida no jornal El Pais.

Quatro meses depois do assassinato de Berta Cáceres, outra ativista contra os abusos das multinacionais foi encontrada morta no aterro municipal de Marcala, anunciou o Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (COPINH).

A morte de Lesbia Yaneth ocorreu no dia em que o governo hondurenho promovia em Marcala algumas reuniões sobre a lei do mecanismo de consulta prévia, uma exigência antiga das organizações indígenas. Para a COPINH, trata-se de “um femicídio político político que procura calar as vozes das mulheres que com coragem e valentia defendem os seus direitos contra o sistema patriarcal, racista e capitalista, que está cada vez mais próximo da destruição do nosso planeta”.

A ativista era uma das organizadoras dos protestos contra o projeto hidroelétrico Aurora I, que a COPINH acusa de ter ligações à presidente do Partido Nacional e vicepresidente do Congresso Nacional, Gladys Aurora López.

O assassinato de Berta Cáceres desencadeou um movimento internacional de solidariedade com os ativistas que lutam pela defesa do ambiente e dos povos indígenas nas Honduras. Duas semanas depois do assassinato, outro líder regional da COPINH foi abatido a tiro quando regressava de uma manifestação contra o despejo de mais de cem famílias.


Esquerda
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;