Nicarágua sofreu influência do Reino Unido e dos EUA, que interviu diretamente no país forçando criação da Guarda Nacional, cujo comandante se tornou ditador
A FSLN (Frente Sandinista de Libertação Nacional da Nicarágua) entra em Manágua, capital do país, vence a Guarda Nacional e assume o comando em 19 de julho de 1979, derrotando 45 anos de ditadura somozista. A Junta de Reconstrução Nacional tomou o poder e Tomás Borge, único fundador vivo da FSLN, dirigiu-se ao povo: “Começa agora uma guerra mais difícil. Contra a pobreza, a ignorância, a imoralidade e a destruição do país”.

Wikicommons // Celebração do décimo aniversário do triunfo da Revolução Sandinista, em 1989


Desde o começo do século XX, a economia nicaraguense baseava-se na exportação de produtos primários, em especial o café. Uma oligarquia rural ligada aos partidos Liberal e Conservador dominava o país. Devido a sua posição estratégica e possibilidades econômicas, o país era há muito objeto do interesse dos Estados Unidos.

A primeira intervenção direta norte-americana data de 1855 e a ocupação militar se deu de 1912 a 1925, quando o país passou da esfera de influência do Reino Unido para os EUA e de 1926 a 1933, a pretexto de restaurar a convulsionada ordem interna. Em 1927, pressionada por Washington, a Nicarágua firmou o Pacto del Espino Negro, que condicionava a desocupação à criação de uma Guarda Nacional.

O comando da Guarda foi assumido por Anastácio Somoza García. Três anos depois, em 1936, Somoza deu um golpe de Estado. A fim de consolidar seu poder, buscou sustentação no apoio da Casa Branca, na aliança com a oligarquia local e no controle absoluto da Guarda Nacional e do aparelho estatal.

A Nicarágua passa a viver um relativo crescimento econômico e diversifica a agricultura tradicional com a intensificação da cultura do algodão. Surgem novos setores burgueses nas cidades e no campo, consolida-se o modelo agrário-exportador e intensifica-se a concentração fundiária, com a expulsão dos camponeses de suas terras.

O desenvolvimento capitalista não foi acompanhado pela evolução das instituições do Estado, mantendo-se a ditadura nos moldes oligárquicos tradicionais, com todo um sistema de violências e arbitrariedades. Em 1956, Somoza é assassinado. A presidência passa a ser ocupada pelo filho mais velho, Luis Somoza Debayle, e a Guarda Nacional pelo filho caçula, Anastácio Somoza Debayle.



Em 1972, um terremoto atingiu o país, destruindo quase todo o setor industrial de Manágua, deixando milhares de mortos e feridos. A família Somoza aumenta rapidamente seu patrimônio, lançando mão dos recursos que vinham do exterior para a reconstrução. Aproveitando-se da miséria e do caos econômico, os Somoza adquiriram grande quantidade de propriedades da periferia de Manágua e organizaram empresas imobiliárias e de engenharia, praticamente monopolizando a compra, venda e construção de imóveis.

Surgimento da FSLN

Diante do absoluto predomínio econômico dos Somoza, a oposição burguesa a eles se divide em dois blocos: um, liberal, em torno do diretor do tradicional jornal La Prensa, Chamorro Cardenal, formando a União Democrática de Libertação; o outro, conservador, cria o Movimento Democrático Nicaraguense. Em 1978, Chamorro é assassinado, episódio que teve grande repercussão. As facções resolvem se unir na Frente Ampla de Oposição, para a qual convidaram ainda uma representação da FSLN.

A FSLN tinha sido criada em 1961 por Carlos Fonseca Amador, Carlos Borge e Silvio Mayorga. Com origem em movimentos estudantis dos anos 1940 e 1950 e inspiração na grande resistência popular das décadas de 1920 e 1930 contra a aliança entre a oligarquia nacional e os interesses imperialistas, a FSLN, sob o comando de Augusto César Sandino, travou uma luta de 18 anos contra os Somoza e sua Guarda Nacional.

Após sofrer várias derrotas, garantiram apoio rural e urbano. Nas ações de 1966-67, expropriaram bancos e justiçaram um torturador da Guarda Nacional. Em 1974, invadiram uma festa em homenagem ao embaixador norte-americano e tomaram importantes convidados como reféns, que foram trocados por presos políticos e dinheiro. Em 1978, a FSLN tomou o Palácio Nacional, fazendo cerca de 2 mil reféns, ação que desmoralizou a Guarda Nacional.

No começo de 1979, após seguidas vitórias, deu-se a ofensiva final e Anastácio Somoza teve que fugir do país. Em 19 de julho, as tropas da FSLN ocuparam Manágua, derrocando o Estado oligárquico.

 Opera Mundi
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;