Diário norte-americano especializado em economia e finanças é considerado 'bíblia dos homens de negócios'


O WSJ, abreviatura que designa The Wall Street Journal, considerado “a bíblia dos homens de negócios”, diário especializado em economia e finanças e de grande influência no mundo dos negócios, teve a sua primeira edição publicada em 8 de julho de 1889.


Flickr/dennis crowley // Edição de 6 de dezembro de 2008 do WSJ; diário é considerado considerado “a bíblia dos homens de negócios”

O jornal foi criado por três jovens repórteres – Charles Henry Dow, Edward Davis Jones e Charles Milford Bergstresser – , também fundadores, em 1882, da empresa Dow & Jones Company, que à época entregava boletins financeiros para clientes da região de Manhattan. A primeira edição do jornal, que tinha seu nome derivado de Wall Street (Rua do Muro), coração financeiro dos Estados Unidos, circulou contendo apenas quatro páginas ao preço de 2 centavos de dólar, oferecendo notícias do mercado financeiro e preços das ações a investidores individuais. Em 1898, foi lançada a edição matinal, contando então com 6 páginas. No ano seguinte adotou o formato de cinco colunas por página, dando início à coluna Review & Outlook, escrita pelo próprio Charles Dow e que existe até hoje.

Em 1902, o jornalista Clarence Barron comprou a empresa por 130 mil dólares. A circulação era de aproximadamente 7 mil exemplares. Em 1903, introduziu-se o slogan “The Newspaper for the Investor” (O jornal para o investidor), deixando bastante claro o público alvo. A primeira edição da Costa do Pacífico foi lançada em 21 de outubro de 1929, apenas oito dias antes do crack da Bolsa de Valores. Nesta ocasião, a tiragem já era de 50 mil exemplares.

No início dos anos 1940, o WSJ perdia a metade de sua circulação, pois informações básicas do mercado financeiro eram transmitidas pelo rádio e em tempo real.

O editor Barney Kilgore percebeu que o jornal necessitava de mudanças para não desaparecer. Passou a tratar de política interna e internacional. Um exemplo disso ocorreu no dia seguinte ao ataque japonês em Pearl Harbor em 7 de dezembro de 1941. Enquanto os demais jornais relataram fatos já amplamente conhecidos graças ao rádio, a primeira página da edição de 8 de dezembro representou um marco do jornalismo. A manchete “Guerra com o Japão significa revolução industrial nos Estados Unidos”. O texto abordou as implicações do conflito para a economia e os mercados financeiros.

Após a II Guerra Mundial, em 1947, o jornal introduziu uma coluna de análise política escrita por William Grimes. Neste ano conquistou seu primeiro prêmio Pulitzer. Até hoje, o WSJ foi agraciado com 33 prêmios Pulitzer.

Com o propósito de ampliar a cobertura, passou a investir em jornalismo investigativo, não poupando as mazelas das grandes corporações norte-americanas.

Em 1966, o jornal atingiu a marca de mais de 1 milhão de exemplares diários, tornando-se uma das mais importantes publicações dos Estados Unidos. Em 1976, surge a versão asiática do jornal, o The Asian Wall Street Journal, impresso em Hong Kong. Em 1979, o WST torna-se o diário de maior circulação do país.

A partir de 1980, passou a publicar diversos cadernos especiais que tratavam de assuntos específicos. O ano de 1983 foi marcado pela estreia da edição europeia, editada em Bruxelas. Nos anos 1990, com o surgimento de novas mídias e a mudança de hábitos da população, acabou lançando a versão eletrônica em 1995. No final de 2004, passou a disponibilizar seu conteúdo também via celular.

Em agosto de 2007, a News Corporation, do empresário australiano Rupert Murdoch, anunciou a compra da Dow Jones & Company por 5,6 bilhões de dólares.

Poderoso e influente, o conservador WSJ é leitura necessária para os principais homens de negócios e estadistas. Em primeiro lugar pelo padrão de suas reportagens. As matérias sobre política nacional e internacional competem com as do emblemático The New York Times, embora as deste sejam mais numerosas e variadas. Segundo, pelo padrão de rigorosa distinção entre informação e editoriais.

Ao longo dos anos o design do WSJ mudou significativamente: modificou o tamanho, ganhou cores e até anúncios na primeira página. A última modificação ocorreu em 2007. As edições internacionais, asiática e europeia, são mais compactas e menores.

Atualmente, o WSJ tem circulação diária superior a 2,1 milhões de exemplares, incluindo 400 mil assinaturas online, somente nos Estados Unidos, estando nas bancas de quase 100 países. Cada edição norte-americana tem em média 96 páginas.

Apesar de seu prestígio e respeitabilidade, o diário foi bastante criticado num período em que seus dirigentes e jornalistas utilizavam o espaço jornalístico, orientando as notícias para favorecer seus próprios interesses, visto que eram também grandes negociantes de ações na Bolsa de Valores.


Opera Mundi
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;