Jornal GGN - O jornal O Globo promoveu um debate na terça (26) com especialistas que apontaram que mudar as leis trabalhistas é necessário para que o Brasil possa rumar para o "desenvolvimento sustentável". Entre as sugestões feitas pelos especialistas convidados está a de que o empregado celetista demitido não deveria mais ter acesso ao fundo de garantia, pois isso é uma medida que estimula a demissão e prejudica o empregador, que perdeu um investimento. O FGTS deveria ser uma espécie de poupança.
A fala foi atribuída por reportagem de O Globo ao economista José Marcio Camargo, da PUC-Rio. Para ele, a "complexidade" da legislação atual é tanta que vale chamar o conjunto de leis trabalhistas de "inferno trabalhista. "Segundo ele, o excesso de regras afasta investimentos e dificulta o conhecimento do real custo do trabalho pelas empresas." Isso faz com que países menores que o Brasil, como o Chile, atraiam muito mais investimentos.
"Se o Brasil quiser aumentar a estagnada e baixa produtividade da economia e voltar a crescer de maneira sustentável tem que enfrentar o desafio de mudar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), de 1943, apontaram especialistas que participaram na última terça-feira do segundo encontro 'E agora, Brasil?', sobre legislação trabalhista, promovido pelo GLOBO com apoio da Confederação Nacional do Comércio (CNC), na Maison de France."
Além de Camargo, foi convidado para debater o assunto José Pastore, sociólogo e professor da Universidade de São Paulo, para quem "a negociação do pagamento e cálculo de horas extras, a terceirização e o uso de câmaras de arbitragem na área trabalhista são os três pontos principais" de uma reforma trabalhista. "Essas três coisas estão amadurecidas. E também há outras que podem ganhar fôlego, como o projeto de lei que permite a criação do trabalho intermitente", disse.
O Globo também escalou o seu time de colunistas para palpitar sobre a reforma da CLT.
"O colunista Merval Pereira prevê que o debate será tão intenso no Brasil quanto foi na França, mas acredita que será possível concluir as mudanças: 'A França foi um exemplo. Foi uma confusão, houve brigas na rua, passeatas, mas no fim conseguiram fazer (a reforma). É o que a gente vai enfrentar nesse debate'", comentou.
Miriam Leitão disse que a reforma deve ser feita sem prejudicar ainda mais trabalhadores em situação vulnerável. Ao que Camargo, o especialista, respondeu que é necessário rever o que é considerado trabalho escravo.
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;