Em apenas dois meses o desafio do balde de gelo arrecadou US$ 115 milhões para pesquisas nos Estados Unidos

O desafio do balde de gelo que viralizou em 2014 conseguiu arrecadar fundos para uma descoberta científica importante: a identificação de um novo gene que contribui para a esclerose lateral amiotrófica (ELA), o NEK1, segundo a ALS Association - que representa pessoas com ELA e outros tipos de doenças do neurônio motor.

A campanha, que estimulava pessoas a compartilharem vídeos do momento em que jogavam baldes de água gelada em si mesmas, tinha o objetivo de conseguir doações para a instituições de caridade ligadas a doenças do neurônio motor, como a ELA.

O desafio foi criticado, mas arrecadou US$ 115 milhões (mais de R$ 377 milhões) e financiou seis projetos de pesquisa.

A pesquisa desenvolvida pelo MinE, um projeto internacional para analisar o genoma de 15 mil pessoas com doenças do neurônio motor, foi publicada na revista especializada Nature Genetics. Trata-se do maior estudo a respeito da ELA hereditária.

Mais de 80 pesquisadores em 11 países procuraram pelo gene da doença em famílias afetadas.

"A análise genética sofisticada que levou a esta descoberta só foi possível por causa do grande número de amostras de ELA disponíveis", disse Lucie Bruijn, da ALS Association.

Image copyrightGETTY IMAGESImage captionMuitos criticaram a campanha afirmando que poucos dos que participavam realmente sabiam o motivo do desafio

A identificação do gene NEK1 abre caminho para que os cientistas desenvolvam uma terapia genética para o tratamento da doença.

Apesar de a forma hereditária da ELA afetar apenas 10% dos pacientes com a doença, os pesquisadores acreditam que a genética contribui com uma porcentagem muito maior dos casos.
Redes sociais

No meio de 2014, as redes sociais e o YouTube foram invadidos por vídeos de pessoas - inclusive celebridades globais - despejando baldes de água gelada sobre as próprias cabeças. Os vídeos foram compartilhados mais de 17 milhões de vezes.

Na época, a campanha foi criticada - dizia-se que poucos participantes sabiam realmente o que estava por trás do desafio.

Os vídeos foram assistidos mais de 440 milhões de vezes.

Image copyrightMND ASSOCIATIONImage captionRedes sociais e o YouTube foram invadidos por vídeos de atores, atrizes despejando água gelada na cabeça, como o britânico Benedict Cumberbatch

A ELA, também conhecida como doença de Lou Gehrig, é um mal neurodegenerativo progressivo e fatal que afeta uma em 400 pessoas. Sua causa ainda é desconhecida, portanto não há uma cura.

A doença afeta o cérebro e a coluna, ataca os nervos que controlam o movimento e impede o funcionamento dos músculos.

A ELA pode deixar o paciente preso em um corpo que não funciona, sem conseguir se mover, falar e, com o avanço da doença, respirar.

O cientista Stephen Hawking é a pessoa mais conhecida que sofre da doença.


BBC Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: