Por: Maddie Stone




A Sibéria, terra de filhotes de leão congelados e crateras inexplicáveis, voltou ao noticiário nesta semana devido a mais um fenômeno natural estranho. O chão devia balançar desse jeito? Não, mas há uma explicação provável: muito gás.

Este fenômeno extraordinário foi testemunhado por um grupo de cientistas que trabalhavam na remota Ilha Belyi, na Península de Iamal. De acordo com o Siberian Times, quando os pesquisadores perfuraram o solo, metano e dióxido de carbono foram liberados, sugerindo que um conjunto de gases no solo é ao menos parcialmente responsável por esse balanço.



Não é loucura se considerarmos a biologia da tundra. A Sibéria é lar de solos espessos permafrost que contém matéria orgânica saturada em água e que foi desenvolvido ao longo de dezenas de milhares de anos. Uma grande preocupação, aqui ou em qualquer parte do Ártico, é que a Terra conforme é aquecida e e esses solos descongelam, façam os micróbios aproveitarem todos esses alimentos livres, liberando enormes quantidades de carbono no ar.

E quando as concentrações de oxigênio são baixas – como é frequentemente no caso desses solos – a decomposição de matéria orgânica produz metano.

O metano tem cerca de 84 vezes o potencial de aquecimento global do CO2 em curto prazo, então é melhor que ele continue preso no solo.

O pesquisador Alexander Sokolov disse ao Siberian Times que a ilha remota está atravessando um verão bastante quente, o que não surpreende considerando que o mundo inteiro vem passando por isso. Será que solos permafrost gasosos em decomposição são um prenúncio do nosso futuro? Não seria o primeiro sinal de alerta dado pelo Ártico neste ano.

[Siberian Times via Motherboard]



Gizmodo Brasil

Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: