Nunca assuma que os rabiscos de Leonardo da Vinci são insignificantes. Esta é a conclusão de um novo estudo da Universidade de Cambridge, que mostra que uma página de rascunhos de 1493 de da Vinci — previamente considerada irrelevante por historiadores — é na verdade a primeira demonstração escrita das leis de atrito.

É altamente reconhecido que da Vinci tinha uma excepcional compreensão da lei de atrito séculos antes do termo tribologia existir. Nestes rascunhos de máquinas complexas, o inventor renascentista incorporou o atrito no comportamento de rodas, estruturas e polias, reconhecendo seu papel em limitar a operação e a eficiência. Ainda não se sabe quando e como exatamente Leonardo da Vinci desenvolveu suas ideias sobre atrito.

Agora, uma detalhada cronologia organizada pelo professor de engenharia Ian Hutching, de Cambridge, mostra o momento eureka de da Vinci que estava em um pedaço de papel amarelado datado de 1493.

Mantido no Victoria and Albert Museum, de Londres, esta página de caderno foi tema de diversos debates acadêmicos há uns anos, por causa de um fraco rascunho de uma mulher velha na parte superior, seguida pela seguinte frase “cosa bella mortal passa e non dura”, que significa “uma beleza mortal passa e não dura”. No entanto, rascunhos abaixo dessas palavras ameaçadoras foram ignorados pelo diretor do museu na década de 20 e foram consideradas “notas irrelevantes e diagramas feitos em giz vermelho.”


Um rascunho posterior de um sistema de polias de um dos cadernos de Leonardo da Vinci. Universidade de Cambridge

Como Hutchings explica em seu estudo, esses rascunhos em vermelho na verdade são um momento fundamental na história da tribologia. Elas mostram blocos sendo puxados pelo peso de uma polia — o mesmo tipo de experimento usado na introdução deste conceito que demostra como a lei do atrito funciona. O estudo ainda traça 20 anos de investigação de atrito feitos por da Vinci, de sua concepção inicial a demonstrações complexas.

“Os rascunhos e textos mostram que Leonardo entendeu os fundamentos do atrito em 1493”, disse Hutchings em um comunicado. “Ele sabia que a força do atrito agindo entre duas superfícies de deslizamento é proporcional às cargas de prensagem das superfícies juntas, e que o atrito é independente da área aparente de contato entre duas superfícies. Essas são as leis de atrito que nós usamos atualmente e creditamos ao cientista francês Guillaume Amontons, que descobriu isso 200 anos depois.”

Acho que a grande conclusão aqui é que nós deveríamos encorajar cientistas e engenheiros a se debruçaram sobre todas as notas antigas de Leonardo da Vinci. Quem sabe não são encontradas outras ideias incríveis?

[University of Cambridge News]

Imagem do topo mostra escrito de Leonardo da Vinci. Crédito: V&A Museum, London



Gizmodo Brasil
















Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;