O que aconteceu com Adolf Hitler se ele não cometeu suicídio na casamata em Berlim, em abril de 1945? Pode ter vivido até à velhice na América Latina? Se isso foi verdade, onde estão seus restos? Qual foi o destino de sua esposa Eva Braun? Viajou pela Colômbia, Brasil e Argentina?
No seu livro "El exilio de Hitler" (O Exílio de Hitler), o historiador Abel Basti dá respostas que geram ainda mais questões.

Na sua entrevista à Sputnik, Basti disse que em 1945 o líder dos nazistas podia ter fugido da Alemanha e ido para a Argentina, onde teria morado por 10 anos e de onde terá fugido em 1955, depois da Revolução Libertadora que destituiu o ditador Juan Domingo Perón. Hitler, como muitos outros nazistas, se terá dirigido para o Paraguai onde viveria sob o patrocínio do ditador Alfredo Stroessner.

O seu livro indica provas de testemunhas que comunicavam com Stroessner e afirma que Hitler, na verdade, estaria no país. Segundo Basti, ele morreu em 3 de fevereiro de 1971 no Paraguai.

"As famílias abastadas, que o sustentaram todos estes anos, organizaram seus funerais. Hitler foi enterrado na casamata subterrânea sobre a qual agora se localiza um hotel na cidade de Asunción. Em 1973, a entrada para a casamata foi selada. Quarenta pessoas vieram para se despedir de Hitler. Um dos presentes, o militar brasileiro Fernando Nogueira de Araújo, contou mesmo sobre a cerimônia a um jornal".

Esse podia ser o final da longa viagem do ditador nazista antes de a casamata ter sido tomada pelo Exército Vermelho da União Soviética. Em vez de Hitler, na casamata podia estar um sósia. O próprio Hitler podia ter fugido através do túnel que levava até ao aeroporto de Tempelhof, onde tomaria um helicóptero. Mais tarde, ele terá tomado um avião e ido para a Espanha, depois para as ilhas Canárias e, depois de realizar uma viagem de submarino, terá chegado à Argentina.

"Havia um acordo com os EUA para que Hitler fugisse e não fosse capturado pela União Soviética. Isso interessava a muitos cientistas, militares e espiões que depois participaram na luta contra o poder soviético".

Basti afirmou que submarinos eram usados, muito frequentemente naquela altura, para transportar passageiros. Alguns deles retornaram, outros foram afundados perto do litoral argentino.

Pelos vistos, Hitler e sua esposa chegaram à cidade de Comodoro Rivadavia.

Segundo Basti, Hitler morava na cidade de Bariloche, em casa da família alemã Bernard, pai do rei holandês Guilherme, que fez parte de tropas SS (Tropa de Proteção). Depois disso, partiu para Inalco, onde vivia na estância de vários edifícios nas montanhas.

Depois de sua fuga da Argentina, ele podia ter vivido à beira do lago paraguaio Ypacarai e viajado muito. Segundo dados do FBI, ele foi ao Brasil e à Colômbia.

No seu livro Basta mostra mais documentos desclassificados do FBI como, por exemplo, o relatório que diz que apesar das acusações a Argentina manteve silêncio sobre qual foi o destino de Hitler.

Em 2015, o canal televisivo History Channel divulgou o seriado "Caçando Hitler" baseado em documentos desclassificados do FBI. Os criadores do túnel que levava da casamata ao aeroporto de Tempelhof organizaram todo o caminho do ditador nazista para a América Latina.

Basti pensa que se considera que Eva Braun sobreviveu a Hitler e regressou para Bariloche, onde viveu na casa que ofereceu ao hospital alemão da cidade. De aí se dirigiu para Buenos Aires, onde viveu até aos 90 anos. Depois seu rastro se perdeu.


Sputnik News
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;