Peemedebista negocia com Temer e ‘centrão’ apoio a seu substituto no comando da Casa

AFONSO BENITES
Brasilia
Cunha, em abril, na Câmara. A. CRUZ AG. BRASIL



O deputado federal afastado Eduardo Cunha(PMDB-RJ) renunciou nesta quinta-feira à presidência da Câmara dos Deputados. O anúncio foi feito em entrevista coletiva no começo desta tarde. "Resolvi ceder as pressões", disse Cunha, que chorou ao ler carta na qual afirmou que deixar a presidência da Casa levará a mais estabilidade. Seu objetivo é diminuir a pressão para que seja cassado pelo plenário da Casa por quebra de decoro parlamentar ao mentir na CPI da Petrobras. A última estimativa era de que mais de 400 dos 513 deputados votariam pela perda de mandato de Cunha – um número bem superior aos 257 necessários para uma cassação.

O peemedebista teve seu pedido de perda do cargoaprovado pelo Conselho de Ética no início de junho e aguarda o julgamento de um recurso que apresentou à Comissão de Constituição e Justiça. A votação desse recurso está prevista para as 16h segunda-feira (11). A renúncia de Cunha não paralisa o processo, já que ele ainda mantém a função de deputado, ainda que tenha sido impedido de atuar pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A previsão é que o julgamento dele por seus pares ocorra em agosto.

Há mais de um mês aliados do deputado afastado pediam que ele renunciasse à presidência da Câmara. O presidente interino, Michel Temer (PMDB), encontrou-se com ele para discutir a questão. Cunha solicitou que, caso renunciasse, Temer apoiasse a nomeação de um membro do centrão para presidir a Câmara. Com a renúncia de hoje, a tendência é que os partidos governistas apoiem algum representante deste grupo político para dirigir os trabalhos no Legislativo, os mais cotados são Espiridião Amim (PP-SC), Jovair Arantes (PTB-GO) e Rogério Rosso (PSD-DF). Todos aliados de Cunha.

Cunha estava reticente em renunciar porque não tinha, e ainda não tem, a garantia de que manteria o mandato. Em mais de dez ocasiões disse que “jamais” renunciaria. O seu maior temor é que, caso fique sem o cargo, sua mulher (ajornalista Cláudia Cordeiro Cruz) e uma filha dele (a publicitária Daniele Dytz da Cunha) possam ser presas no âmbito da operação Lava Jato. Cruz já é ré no caso, assim como o marido. A diferença é que ela está sob a mira do juiz da primeira instância Sergio Moro e ele, com duas ações, será julgado pelo STF porque tem prerrogativa de foro por ser parlamentar federal.

Sem ter um trabalho formal, Cunha passou os últimos dias preparando suas defesas na CCJ e no STF. Além disso, gasta boa parte de seu tempo“desmentindo”, por meio de seu Twitter, reportagens e notas de colunas jornalísticas que o citam. Em uma das ocasiões disse que “a falta de notícias e a tentativa de parecer bem informados, faz alguns colocarem palavras em minha boca não proferidas”. Em outras dezenas de vezes, reforçou que não tinha razões para renunciar. Agora, ele próprio se desmentiu.

EL PAÍS Brasil
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário: