“Eu ajudei a eleger Eduardo Cunha”, gaba-se Maia


A se considerar duas (reforma da Previdência e Pré-sal) das prioridades elencadas por Rodrigo Maia os conservadores não vão se decepcionar.

Eduardo Cunha também pode dormir tranquilo, pois nem o mais otimista acredita que o presidente eleito da Câmara dos deputados será um obstáculo na sua tentativa de salvar o mandato e a própria pele.

“Ajudei a eleger o Eduardo Cunha”, foi logo avisando Rodrigo Maia na sua primeira entrevista como presidente eleito. “No plenário, é possível que ele tenha sido o melhor presidente que já tivemos”.

De fato, para alguém que não preza a democracia Eduardo Cunha foi brilhante ao conseguir a proeza de caçar 54 milhões de votos mesmo estando à beira da prisão.

O show de horrores que comandou na sessão histórica de 17 de abril, quando a Câmara aprovou o impeachment de Dilma, é para o jovem deputado do DEM um exemplo notável de competência e um referencial histórico para o parlamento brasileiro.

Não por acaso Rodrigo Maia era um dos preferidos do interino Michel Temer para comandar a Câmara neste mandato tampão.

Sobre medidas impopulares, obsessão de Temer por ser a fatura que o setor produtivo lhe cobra pelo apoio ao golpe, já adiantou que também estão entre as suas prioridades.

“Estamos aqui para votar o que é urgente”, anunciou Rodrigo antes mesmo de ser perguntado. “Algumas matérias podem ser impopulares no curto prazo, mas, com elas, o Brasil pode estar melhor daqui a cinco anos”.

É batata que entre as tais medidas impopulares esteja a revisão da forma de reajuste do salário-mínimo – com base na inflação do ano anterior e no crescimento (PIB) de dois anos antes, o que normalmente garante um aumento acima da inflação.

Outro clássico defendido por Temer e que tem apoio do próprio DEM e do PSDB – Fernando Henrique disse isso publicamente – é o fim das despesas obrigatórias para saúde e educação, além de cortes nos programas de distribuição de renda, para não dizer da famigerada jornada de 80 horas semanais e da terceirização do trabalho.

Rodrigo Maia, como se pode observar, de jovem tem o rosto – no mais, é o típico caso de brasileiros bem nascidos que ascenderam na vida pública na base do “paitrocínio” e que estão aí para defender os interesses das chamadas classes dominantes.

Com 26 anos, indicado pelo pai, Cesar Maia, sem nenhuma experiência ganhou seu primeiro cargo importante: secretario de Governo de Luiz Paulo Conde na prefeitura do Rio de Janeiro.

Aos 28, foi eleito deputado, reelegendo-se sucessivamente em 2002, 2006, 2010 e 2014.

Entre seus bons amigos em Brasília estão Cássio Cunha Lima, filho do paraibano Ronaldo Cunha Lima, e Aécio Neves, neto do ex-governador de Minas Tancredo Neves. Coincidentemente, todos à sombra da trajetória pública de seus familiares.

Levando em conta a tradição, e o retrospecto, a Câmara, sob Rodrigo, tem tudo para continuar o que sempre foi: um espaço de troca de favores e defesa de interesses de pequenos grupos em detrimento da maioria.

Do jeitinho que Temer e Cunha sempre sonharam.

DCM
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;