MBL cancela ato pró-golpe dos corruptos

por Altamiro Borges, em seu blog

As últimas pesquisas de opinião – com exceção do Datafolha, que “erra e persiste no erro”, segundo a crítica da própria ombudsman daFolha – apontam acelerado desgaste do “golpe dos corruptos” que afastou a presidenta Dilma.

O índice de rejeição do Judas Michel Temer já bate recordes históricos, conforme comprova a sondagem divulgada nesta terça-feira (26) pelo instituto Ipsos. O usurpador é apoiado por apenas 6% dos brasileiros. Estas pesquisas – mais o grito de “Fora Temer” que contagia as ruas do país – explicam porque o grupelho fascista Movimento Brasil Livre (MBL) cancelou a sua participação nos atos em defesa do “golpe do corruptos” agendados para o próximo domingo (31).

Em nota oficial divulgada nesta semana, a seita golpista – que até hoje não revelou as fontes do seu sustento – dá uma resposta esfarrapada para a sua desistência.

“Considerando que, diferentemente das informações que tínhamos anteriormente, a votação do impeachment de Dilma no Senado acontecerá no final de agosto, e que temos recebido frequentes mensagens com reclamações sobre a data – por ser volta das férias escolares e por coincidir com as manifestações marcadas por grupos petistas – decidimos focar os nossos esforços em atos que serão marcados em data mais próxima da votação”.

Os fascistas mirins talvez não leiam jornais e nem frequentem a escola, tamanha a desinformação.

A decisão do MBL foi acompanhada por outras duas gangues – Revoltados Online e Nas Ruas -, mas parece que desagradou os outros grupelhos.

“Estamos firmes com praticamente todos os movimentos, foram só uns dois ou três que saíram. Todos os manifestantes estão sabendo dessa data e até agora é o nosso segundo evento com mais convidados no Facebook”, alfinetou Rogério Chequer, líder do Vem Pra Rua.

Nos bastidores, as diferenças entre estas seitas têm crescido. O MBL, que conquistou maior visibilidade – seu líder, Kim Kataguiri, já batizado de “Kinta Catiguria”, inclusive virou articulista daFolha -, parece que já decidiu trilhar o caminho institucional.

O projeto eleitoral dos fascistas mirins

Após enganar muitos “midiotas” com o discurso do apartidarismo, o MBL pretende lançar dezenas de candidatos a vereador e a prefeito nas eleições de outubro próximo.

Matéria da Folha de 19 de julho informa que o fundador do movimento, Rubinho Nunes, disputará a prefeitura de Vinhedo, no interior de São Paulo. “Ele e Renan Santos fundaram, logo após a reeleição de Dilma Rousseff, em 2014, o movimento ‘Renova Vinhedo’ para protestar contra a vitória petista. Em março do ano seguinte, já como MBL, eles convocaram a primeira manifestação nacional pelo impeachment”. Na prática, o projeto dos jovens “apartidários” já era eleitoreiro, mas eles esconderam a ambição dos “midiotas”.

Eles e outros fascistas mirins do MBL também nunca tiveram qualquer compromisso com o combate à corrupção. Apenas se travestiram de paladinos da ética para enganar os “coxinhas” desinformados. Tanto que Rubinho Nunes será candidato pelo PMDB de Michel Temer, Eduardo Cunha e de outros falsos moralistas.

A matéria da própria Folha, também sem moral, apontou a falsidade dos líderes do MBL. “Questionados sobre a contradição de um movimento contra a corrupção lançar candidatos em partidos envolvidos na Lava-Jato, como o PMDB, os líderes dizem que é preciso ‘infiltrar’ pessoas e ideias novas em um sistema corrompido. ‘Tem alguns nomes do PMDB que decepcionam qualquer pessoa, mas, para exercer a política, você tem que estar dentro de um partido’, diz Rubinho”. Outro líder do MBL, Fernando Holiday, será candidato a vereador na capital paulista pelo DEM. Haja ética!

Viomundo
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;