Dizem que as últimas gerações passam muito tempo na internet, mas é inegável que a rede mundial de computadores tornou-se uma parte importante da vida cotidiana de boa parte das pessoas em todo o mundo. Tanto é assim que, agora, privar alguém de ter acesso à internet é uma violação dos direitos humanos.

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas aprovou uma resolução não vinculativa em junho que condena os países que intencionalmente tiram ou interrompem o acesso à internet dos seus cidadãos.

A resolução foi aprovada na semana passada, mas foi contestada por países como a Rússia, China, Arábia Saudita, África do Sul e Índia. O problema foi com a passagem que “condena inequivocamente medidas para prevenir ou interromper o acesso à nossa divulgação de informações online intencionalmente”. Mais de 70 estados apoiaram as resoluções, de acordo com um comunicado divulgado pelo Artigo 19, uma organização britânica que trabalha para promover a liberdade de expressão e informação.
Thomas Hughes, diretor executivo do artigo 19, escreveu: “Estamos desapontados que as democracias como África do Sul, Indonésia e Índia, que votaram a favor destas alterações hostis para enfraquecer a proteção da liberdade de expressão online. Uma abordagem baseada nos direitos humanos para fornecer e expandir o acesso à internet, com base nas existentes obrigações internacionais de direitos humanos que os estados possuem, é essencial para a realização da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, e nenhum estado deve tentar desacelerar isso”.

Acesso à educação

A resolução observa o que muitos de nós já sabemos: é importante aumentar o acesso à internet, uma vez que isso “facilita vastas oportunidades para a educação acessível e inclusiva globalmente”, ou oferece outros recursos para a educação, especialmente através da partilha digital. De acordo com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a organização também reconheceu que a propagação da tecnologia tem o “grande potencial de acelerar o progresso humano”.
A internet nos torna mais inteligentes ou mais burros?

Está tudo aqui: nossas notícias, ofertas de emprego e declarações de cartão de crédito. Tornou-se impossível viver sem acesso básico à Internet.
A resolução também destaca uma série de questões que precisam ser abordadas, incluindo a questão da liberdade de expressão na internet. Também entre as metas apresentadas estão:
  • Convocar todos os Estados para responderem às preocupações de segurança de “uma forma que garanta a liberdade e a segurança na internet”;
  • Garantir a responsabilização por todas as violações dos direitos humanos e abusos cometidos contra as pessoas por exercerem seus direitos humanos;
  • Reconhecer que a privacidade online é importante;
  • Salientar a importância da educação para mulheres e meninas em áreas tecnológicas relevantes.

Fomentando a discussão

A ONU não pode impor resoluções legalmente. Em vez disso, elas são emitidas para fornecer orientações para as nações participantes e para colocar pressão sobre as que podem ter opiniões divergentes. Estas são afirmações apenas gerais sobre como os governos devem moldar as leis quando se trata da internet. É claramente uma boa coisa que esta resolução exista, mesmo que ela pouco faça além de preencher alguns pedaços de papel digital.

O próximo passo é que os países iniciem a resolução de problemas de forma ativa, incluindo leis relativas à liberdade de expressão e evitando que esses direitos sejam abusados para espalhar a violência, ideais terroristas e assédio. Quanto mais discutirmos os problemas que vêm junto com o reinado livre da internet, melhor é. [Gizmodo]

hypescience

ip
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;