Por Sergio da Motta    

                            
Em Fevereiro deste ano, o jornalista do periódico “O País” Gil Alessi (9) entrevistou o professor de ciência política Ricardo Caldas, da Universidade de Brasília, sobre a possibilidade da aproximação do fim da identificação das camadas menos favorecidas da população brasileira com o operário de origem humilde que foi eleito duas vezes para presidente.
                                                                                                                        
A reportagem explicava que Lula havia escapado ileso do turbilhão do “Mensalão” em 2005, e que o ex-metalúrgico ainda era, até o início do ano passado, um forte candidato a um terceiro mandato no Palácio do Planalto. Depois disso, as acusações (nunca provadas) da posse do sítio em Atibaia e do apartamento no Guarujá, a imagem de Lula foi abalada junto ao eleitorado que ele mais teve dificuldade em atrair para seu lado desde o final dos anos de 1980: a gente mais humilde e os trabalhadores mais pobres do Brasil. Que teve dificuldades com os termos e nuances das acusações anteriores, palacianas e burocráticas demais para o gosto e a percepção popular em 2005. Mas não teve dificuldades em aceitar o embuste empurrado pela mídia, Polícia Federal e Ministério Público da falsa propriedade de imóveis onze anos depois.
Foi a “Operação Aletheia”, que começou a desgastar a imagem de Lula junto a seu eleitorado mais difícil de conquistar. Será que alguém já notou que os nomes pomposos que a Polícia Federal emprega funcionam como uma espécie de “gatilho” que a imprensa aperta sem muito pensar ou verificar?

Transações irregulares com imóveis “envolvem ética e valores”, explicou o acadêmico. A prática de ilícitos com bens imobiliários é bem conhecida por muitas famílias brasileiras de todas as extrações sociais. Aí começou com força total o trabalho de destruição da imagem do homem pobre que venceu os preconceitos de uma burguesia provinciana e ousou tentar elevar o padrão de vida dos brasileiros mais pobres. Lula nunca foi e nunca será perdoado por tentar incluir o trabalhador brasileiro entre a classe média brasileira. Boa parte dela tem nojo do povo mais pobre deste país.
A acusação de ocultação de imóveis (que ele e sua mulher nunca possuíram ) bastou para iniciar o processo de destruição da imagem do trabalhador que acabou presidente e campeão das causas populares . Depois da condução coercitiva do ex-presidente (4/3), ficou bem óbvia para todos a ressalva que o professor Ricardo Caldas fez ao jornal espanhol sobre as possibilidades de Lula em 2018: “só uma condenação judicial afastaria Lula da disputa presidencial.”
Depois de sua apelaçãor ao Comitê de Direitos Humanos da ONU, confirmada pelo jornal lusitano “Portugal Digital” (29/7), Lula foi acusado de obstruir a Lava-Jato. Agora é réu acusado de ser o chefe de um sistema de corrupção que em muito o antecede. O Procurador Carlos de Lima acredita que Lula é o líder do grupo de larápios dos bens públicos saqueados em mais de 20 anos de corrupção. Ele, e a maior parte da turma do Paraná.
Lula foi indiciado e não tem foro privilegiado. O “Pais” publicou tudo em detalhes (29/7). Seus algozes estão em êxtase e o Brasil está prestes a mergulhar mais uma vez em seu lago negro de atraso, provincianismo e miséria sem fim para a grande maioria de sua população.

GGN
Axact

Ronaldo

Blogueiro e livreiro, reproduzo as notícias que considero interessante para os amigos e disponíbilizo meu acervo de livros para possíveis clientes. Boa leitura e boas compras.

Poste aqui o seu comentário:

0 comments:

-Os comentários reproduzidos não refletem necessariamente a linha editorial do blog
-São impublicáveis acusações de carácter criminal, insultos, linguagem grosseira ou difamatória, violações da vida privada, incitações ao ódio ou à violência, ou que preconizem violações dos direitos humanos;
-São intoleráveis comentários racistas, xenófobos, sexistas, obscenos, homofóbicos, assim como comentários de tom extremista, violento ou de qualquer forma ofensivo em questões de etnia, nacionalidade, identidade, religião, filiação política ou partidária, clube, idade, género, preferências sexuais, incapacidade ou doença;
-É inaceitável conteúdo comercial, publicitário (Compre Bicicletas ZZZ), partidário ou propagandístico (Vota Partido XXX!);
-Os comentários não podem incluir moradas, endereços de e-mail ou números de telefone;
-Não são permitidos comentários repetidos, quer estes sejam escritos no mesmo artigo ou em artigos diferentes;
-Os comentários devem visar o tema do artigo em que são submetidos. Os comentários “fora de tópico” não serão publicados;